Mercado abrirá em 9 hs
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,46
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.763,40
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    63.004,08
    +38,42 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.400,70
    +19,75 (+1,43%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.844,72
    +51,58 (+0,18%)
     
  • NIKKEI

    29.737,01
    +94,32 (+0,32%)
     
  • NASDAQ

    13.972,25
    -41,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7120
    -0,0091 (-0,14%)
     

Fiocruz entrega primeiro lote de vacinas contra a COVID-19 feitas na instituição

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

Nesta quarta-feira (17) a Fiocruz anunciou por meio de sua conta oficial do Twitter a entrega do primeiro lote de vacinas contra a COVID-19 fabricado pela própria instituição. Ao todo, foram liberadas 500 mil doses do imunizante. A expectativa é que até a próxima sexta-feira (19) sejam entregues ao Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde mais 580 mil doses.

Na publicação, a Fiocruz anunciou que começou o escalonamento gradual de sua produção da vacina contra a COVID-19, e acrescentou que a ideia é que até o final de março produza 1 milhão de doses por dia. Segundo a institutição, ainda em março serão entregues mais duas milhões de vacinas produzidas na Fiocruz. A Fundação já havia liberado para o Ministério da Saúde quatro milhões de doses que foram importadas prontas da Índia.

Fiocruz entrega primeiro lote de vacinas contra a COVID-19 feitas na instituição (Imagem: Jubjang/Rawpixel)
Fiocruz entrega primeiro lote de vacinas contra a COVID-19 feitas na instituição (Imagem: Jubjang/Rawpixel)

Em meio à entrega de 500 mil doses do primeiro lote de vacinas produzidas pela Fiocruz em território nacional com insumos importados, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu a imunização da metade da população brasileira até julho, e a outra metade até o fim de 2021. "Vamos controlar essa pandemia ainda no segundo semestre. Essa é a nossa missão e, para isso, precisamos das vacinas", anunciou o ministro.

De acordo com Pazuello, o lote inicial ainda é pequeno, se considerado o tamanho do projeto desenvolvido pelo Ministério da Saúde em parceira com a Fiocruz. "Estávamos apenas com uma produção nacional, no Butantan, e estamos iniciando hoje na Fiocruz para que chegue até o final de março com 3,8 milhões de doses e, a partir de 1º de abril, uma produção diária de até 1 milhão de doses", completou. A cerimônia de entrega das doses em questão teve ainda a presença do cardiologista Marcelo Queiroga, destinado a assumir a pasta nos próximos dias no lugar de Pazuello.

Vacinas produzidas pela Fiocruz

Em 6 de fevereiro, a Fiocruz recebeu o primeiro carregamento do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), desenvolvido em Xangai, para iniciar a produção nacional das doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford e pela biofarmacêutica AstraZeneca. Trata-se de uma vacina que utiliza um vírus inativado, o adenovírus, como vetor de parte do material genético do SARS-CoV-2, que produz a proteína que gera a resposta imune. O Canaltech inclusive já tirou as dúvidas sobre o imunizante com um infectologista.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: