Mercado abrirá em 11 mins
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,56
    +0,71 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.781,20
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    34.016,28
    +2.401,55 (+7,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,96
    +19,63 (+2,47%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.123,38
    +33,37 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.268,00
    +9,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9231
    +0,0033 (+0,06%)
     

Fiocruz diminui pela metade estimativa de produção nacional da vacina; entenda

·2 minuto de leitura

A partir da transferência de tecnologia para a produção da vacina Covishield (Oxford/AstraZeneca), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve ganhar autonomia e ampliar entregas do imunizante contra a COVID-19. No entanto, a quantidade prevista para este ano foi reduzida pela metade em comparação ao que era esperado inicialmente. Das 110 milhões de doses da fórmula contra o coronavírus SARS-CoV-2 anunciadas, apenas 50 milhões devem ser entregues em 2021.  

"A nossa meta é ir ao máximo. Os 110 milhões foram uma estimativa com os dados que tínhamos antes mesmo de a vacina ter sido aprovada, de várias etapas terem acontecido, dos problemas iniciais com o IFA", explicou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, durante coletiva de imprensa para anunciar a chegada dos bancos de células e de vírus.

Previsão de entrega de vacinas nacionais da Fiocruz é reduzida (Imagem: Reprodução/Diana Polekhina/Unsplash)
Previsão de entrega de vacinas nacionais da Fiocruz é reduzida (Imagem: Reprodução/Diana Polekhina/Unsplash)

Diante desse desafio de produção da vacina Oxford/AstraZeneca contra a COVID-19, a intenção da Fiocruz é suprir a diferença com a importação de mais IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) da China. A questão ainda está em negociação, mas, caso seja acordada, poderão ser entregues, no segundo semestre, as 100 milhões de doses anunciadas. 

Além disso, Trindade confirmou o risco de haver a suspensão temporária da produção de novas vacinas entre agosto ou setembro. Isso poderia acontecer entre o fim da produção de doses com o insumo importado e o início das entregas com o IFA nacional para o Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.  

Vale lembrar que, nesta semana, a Fiocruz ultrapassou o Instituto Butantan e se tornou a maior fornecedora de imunizantes contra o coronavírus para o Brasil. No total, já foram entregues 47,6 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca, enquanto o Butantan enviou 47,2 milhões da CoronaVac. 

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos