Mercado fechado

Fiocruz deve receber IFA importado da AstraZeneca para vacina em 2022

·2 min de leitura

Na quinta-feira (28), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) firmou um novo acordo com a farmacêutica AstraZeneca para a compra de mais Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) — a matéria-prima dos imunizantes — importado. Com a iniciativa, será possível produzir 60 milhões de doses da vacina Covishield (AstraZeneca/Oxford) contra a covid-19. A medida é necessária enquanto a transferência de tecnologia não é concluída.

O acordo deve garantir doses da vacina contra a covid-19 para os brasileiros, durante o primeiro semestre de 2022. O IFA importado permitirá que a Fiocruz entregue, através do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), 60 milhões de doses, entre janeiro e junho. No total, é possível que 120 milhões de doses da Covishield sejam entregues.

Até junho de 2022, a Fiocruz deve entregar mais 120 milhões de vacinas contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/_Tempus_/Envato)
Até junho de 2022, a Fiocruz deve entregar mais 120 milhões de vacinas contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/_Tempus_/Envato)

Isso porque, neste mesmo período, é esperado que outras 60 milhões de doses sejam produzidas de forma 100% nacional, incluindo o IFA desenvolvida no Brasil. Neste caso, ainda é preciso aguardar conclusão da análise do insumo brasileiro, que está nos Estados Unidos, e a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Inicialmente, a previsão era de que a produção nacional começasse em outubro deste ano, o que não ocorreu.

“O novo compromisso, aliado à produção nacional, visa concentrar um número maior de doses no primeiro semestre de 2022 para garantir a possibilidade de implantação, pelo Ministério da Saúde, da estratégia de vacinação que se mostrar necessária diante de diferentes cenários que a pandemia possa apresentar”, explicou o diretor de Bio-Manguinhos/Fiocruz, Mauricio Zuma, em nota.

Parceria com a AstraZeneca contra outras doenças

Durante a viagem para o Reino Unido, a presidente da Fundação, Nísia Trindade Lima, e o presidente da AstraZeneca Brasil, Carlos Sanchez, também assinaram uma carta de intenções para uma futura parceria no enfrentamento a Diabetes, Doença Renal Crônica e Insuficiência Cardíaca no país.

"No documento, as instituições se comprometem a discutir potenciais atividades de colaboração tecnológica, bem como ações de apoio à preparação ou ao desenvolvimento de estudos que possam contribuir para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde no enfrentamento a esses agravos", explica a nota.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos