Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,38
    -0,07 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.718,20
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    19.986,51
    -400,16 (-1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,55
    -8,57 (-1,85%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.861,24
    -150,91 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.175,30
    -136,00 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    11.537,25
    -4,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1150
    +0,0015 (+0,03%)
     

Fiocruz alerta para queda na taxa geral de vacinação no Brasil

No Brasil, as taxas de vacinação contra todas as doenças estão em queda nos últimos anos, exceto para a covid-19 e a bem-sucedida campanha de imunização durante a pandemia. No atual cenário, pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) destacam, em nota, sobre o risco das "sucessivas e alarmantes quedas na cobertura vacinal".

Não é possível definir um único ponto que justifique a queda geral na taxa de vacinação entre os brasileiros, mas estão presentes inúmeras questões, como as fake news e o movimento antivacinas. Também é necessário considerar que muitas doenças ficaram no passado — por causa de amplas campanhas de vacinação — e a população "esqueceu" os riscos que essas doenças podem representar, como a poliomielite (pólio).

Taxas de vacinação estão em queda no Brasil, segundo a Fiocruz (Imagem: FabrikaPhoto/Envato)
Taxas de vacinação estão em queda no Brasil, segundo a Fiocruz (Imagem: FabrikaPhoto/Envato)

Queda na taxa geral de imunização entre brasileiros

Em 2011, a cobertura geral chegava a 85,31%, considerando as vacinas disponibilizados dentro do Calendário Nacional de Imunização do sistema Único de Saúde (SUS), segundo Datasus — um sistema do Ministério da Saúde. Desde então, os números caíram sucessivamente, como podemos observar a seguir:

  • Em 2019, a cobertura vacinal chegou a 73% da população;

  • Em 2020, o índice caiu para 67%;

  • Em 2021, a cobertura é de 59,50%.

"O patamar preconizado pelo Ministério da Saúde é de 95%", afirma a Fiocruz, reforçando a importância de elevar novamente os índices de vacinação no Brasil.

Vacinação contra pólio

Entre as quedas na taxa de vacinação, talvez, a mais preocupante seja a da pólio. Esta doença é popularmente conhecida pelo nome de paralisia infantil, já que pode impactar, de forma permanente, a mobilidade de pessoas infectadas pelo poliovírus. O risco principal é para as crianças.

Entre os anos de 1968 e 1989, o Brasil registrou quase 27 mil casos da doença, mas conseguiu controlá-la com uma abrangente campanha de vacinação e a criação do personagem Zé Gotinha — um popular personagem que representa a gota da vacina na forma oral, em gotas. Além disso, em 1994, as Américas receberam o certificado de eliminação da doença.

No entanto, o país pode enfrentar um possível retorno da doença, já que os índices de vacinação da pólio em crianças está em queda. Em 2021, menos de 70% do público alvo estava com as doses em dia. Para comparar, em 2015, o mesmo índice estava em 98%. Em maio deste ano, a Fiocruz já alertava para este possível risco.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: