Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,70 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,75 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,10
    +0,34 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.725,00
    +4,20 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    20.119,05
    -146,83 (-0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,45 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.631,25
    +7,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1379
    -0,0300 (-0,58%)
     

Fintech Magalu lança sistema de pagamento mais fácil e rápido que o PIX

A Fintech Magalu, vertical de serviços financeiros do grupo, anuncia o seu mais novo sistema que facilita as compras por e-commerce. O Iniciador de Transação de Pagamento (ITP) é inaugurado com o Open Finance e considerado mais simples e mais prático que o PIX. O primeiro cliente da fintech é o KaBuM!, e-commerce de tecnologia e games.

Segundo o comunicado da empresa, o instrumento permite iniciar uma ordem de pagamento sem que o usuário precise acessar o site ou aplicativo do banco, nem copiar e colar códigos de barras, por exemplo. Para Patrícia Ikeda, gerente da Fintech Magalu, responsável pela área de Open Finance, o uso do ITP é uma ótima oportunidade para empresas melhorarem a experiência do cliente e reduzir desistências na etapa final da compra.

Como funciona o novo método de pagamento da Fintech Magalu

O Open Finance inaugura o compartilhamento padronizado de dados sobre produtos, informações financeiras e serviços pelas instituições autorizadas pelo Banco Central (BC). Foi graças a este serviço que a nova modalidade de iniciação de pagamento, o ITP, surgiu. A Fintech Magalu recebeu a licença do BC para usar a modalidade, que já está disponível no checkout do KaBuM!.

Ao realizar uma compra no e-commerce de tecnologia, o cliente pode usar o saldo do banco onde tem conta para fazer um pagamento à vista. O ITP exclui a necessidade, por exemplo, de copiar e colar o código PIX ou o código de barras do produto para o site ou app da instituição financeira.

O pagamento via fintech Magalu exclui a necessidade, por exemplo, de copiar e colar o código PIX ou o código de barras do produto para o site ou app da instituição financeira (Imagem: Divulgação/Magazine Luiza)
O pagamento via fintech Magalu exclui a necessidade, por exemplo, de copiar e colar o código PIX ou o código de barras do produto para o site ou app da instituição financeira (Imagem: Divulgação/Magazine Luiza)

O novo sistema também auxilia na coordenação de estoque das empresas, visto que o pagamento é contabilizado de maneira muito mais rápida. Segundo a Magalu, as transações levam, no máximo, 5 minutos para serem compensadas, enquanto um boleto pode levar até três dias úteis. A implementação do ITP também diminui os custos operacionais, visto que exige menos intermediários nos processos de pagamento.

Para Luiz Escudeiro, CTO do KaBuM!, o público do e-commerce é muito ligado em inovação e adere muito rapidamente às novas tecnologias. A empresa foi uma das pioneiras ao disponibilizar o PIX como forma de pagamento e agora traz o ITP que será liberado para 100% dos clientes nas próximas semanas.

O que é o ITP?

A nova modalidade foi instituída pelo Banco Central por meio da resolução BCB Nº 24, de 2020, que regulamenta a prestação de serviço de intermediação de pagamentos. O Iniciador de Transação de Pagamentos (ITP) visa conectar tecnologicamente os aplicativos e sites às instituições financeiras, garantindo que os pagamentos ocorram de maneira segura. As empresas que operam como ITP são reguladas pelo BC.

A tecnologia causa grande impacto ao conceder aos e-commerces que disponibilizem a iniciação de pagamento através de seu próprio canal. Para realizar a transação e garantir segurança no processo, o cliente autoriza o pagamento na instituição onde o dinheiro está. Para o futuro, a tecnologia ainda visa eliminar a complexidade de cadastros no débito automático, ao permitir a solicitação de um pagamento recorrente via ITP.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: