Mercado abrirá em 7 mins
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,96
    -1,38 (-1,46%)
     
  • OURO

    1.806,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    23.787,17
    -937,29 (-3,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    565,57
    -9,17 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.491,30
    +25,39 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.385,00
    +73,75 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2802
    -0,0435 (-0,82%)
     

Fintech brasileira de pagamentos Dock compra mexicana Cacao

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A Dock, uma fintech brasileira na qual a Visa tem participação, acaba de fechar a aquisição da Cacao, uma empresa de soluções de processamento de cartões do México.

Most Read from Bloomberg

A Dock, que fornece infraestrutura para empresas de tecnologia financeira da América Latina, não divulgou o preço da transação.

A empresa, que tem uma base de mais de 40,9 milhões de contas ativas na sua plataforma na nuvem, ganha 50 clientes da Cacao por meio da aquisição, incluindo a mexicana fintech Albo e a empresa de pagamentos Clip.

As possibilidades de expansão da Dock no México são enormes: menos da metade dos 130 milhões de habitantes do país têm conta bancária. O mercado potencial para infraestrutura de banco digital no país é de US$ 2,9 bilhões e deve crescer 34% nos próximos 5 anos, de acordo com a Americas Market Intelligence. No entanto, existem poucos provedores de serviços que oferecem pagamentos e infraestrutura de banco digital, disse o presidente da Dock, Antonio Soares.

A Dock, que planeja usar sua própria marca no México, processa cerca de US$ 50 bilhões em volume de pagamentos na América Latina anualmente.

“As duas empresas compartilham valores significativos e uma missão central de permitir que seus clientes democratizem, por meio da tecnologia, o acesso ao sistema financeiro para milhões de pessoas não-bancarizadas ou semi-bancarizadas na América Latina”, disse Soares.

A Riverwood Capital e a Visa foram os primeiros investidores na Dock, que recebeu US$ 170 milhões no ano passado da Temasek, com sede em Cingapura, da Viking Global Investors e da afiliada do Advent International, Sunley House Capital.

A Cacao é a terceira aquisição da Dock e a primeira fora do Brasil. No ano passado, a empresa adquiriu a Muxi, provedora de soluções tecnológicas para captura de transações na América Latina. Em outubro, comprou a BPP Instituição de Pagamento SA, especializada em entidades não-bancárias que procuram oferecer serviços bancários aos seus clientes.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos