Mercado abrirá em 8 h 54 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,48
    +0,09 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.878,40
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    13.218,84
    +1,55 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,58
    -11,11 (-4,07%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.415,66
    -293,14 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.231,50
    +98,75 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7356
    +0,0012 (+0,02%)
     

Fintech argentina Ualá acelera expansão com estreia no México

Jorgelina do Rosario e Andrea Navarro
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A startup argentina de pagamentos móveis Ualá, que tem entre os investidores bilionários como George Soros e Steve Cohen, lançou operações de cartões pré-pagos no México.

Três anos após o início das operações na Argentina, a empresa se expande para a segunda maior economia da América Latina quando a pandemia de coronavírus impulsiona transações online no mundo todo, disse o fundador e diretor-presidente da Ualá, Pierpaolo Barbieri. Depois de trabalhar “silenciosamente e secretamente” para configurar as operações nos últimos 18 meses, mais de 20% dos mais de 500 funcionários da empresa estão totalmente dedicados ao lançamento das operações no México na terça-feira.

Tanto a Argentina quanto o México compartilham um desafio e uma oportunidade semelhantes: o dinheiro em espécie é rei e grande parte da população não tem acesso a serviços financeiros, disse Barbieri. Cerca de 60% da população do México não tem conta bancária, de acordo com dados do Banco Mundial - um número ainda maior do que o da Argentina.

“Em termos de inclusão financeira, o México tem um problema muito semelhante ao da Argentina”, disse Barbieri em entrevista por vídeo de Buenos Aires. “A penetração bancária fora das grandes cidades é muito baixa.”

A Ualá, que fornece uma série de serviços financeiros com base em um cartão pré-pago gerenciado por meio de um aplicativo móvel, emitiu 2 milhões de cartões pré-pagos na Argentina desde que começou a operar em 2017 e tem como alvo 30 mil novos usuários no México até o fim do ano. Para isso, planeja aprovar contas em 24 horas e entregar cartões de débito em qualquer lugar do México em até 72 horas após a aprovação.

Crescimento silencioso

A expansão já está totalmente financiada, graças à última rodada série C da empresa em novembro, na qual levantou US$ 150 milhões, liderados pela gigante chinesa de Internet Tencent e pelo conglomerado japonês SoftBank. A Ualá não busca mais financiamento e planeja focar no crescimento de suas operações na Argentina e no México, disse Barbieri. Soros, Cohen e Jefferies também estavam entre os investidores iniciais da empresa.

A Ualá tem uma equipe local de 22 funcionários na Cidade do México, sob o comando do gerente-geral Ricardo Olmos.

Um dos maiores concorrentes da empresa em ambos os mercados é o Mercado Pago, a fintech da gigante de comércio eletrônico MercadoLibre, que no ano passado obteve empréstimo de US$ 125 milhões do Goldman Sachs. O Nubank, que também tem a Tencent entre os investidores, é outro rival no radar da Ualá, disse Barbieri.

Ainda assim, a competição mais acirrada da empresa virá do dinheiro em espécie, disse. Até o ano passado, cerca de 88% dos mexicanos ainda usavam dinheiro como principal forma de pagamento, de acordo com dados da Minsait, afiliada da consultoria espanhola Indra.

A Ualá foi avaliada em quase US$ 1 bilhão em novembro de 2019, segundo pessoas com conhecimento direto da transação, que pediram anonimato porque os dados são privados. Barbieri não quis divulgar o valuation atual da empresa.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.