Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.790,10
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    37.877,05
    +1.742,96 (+4,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Fintech Addi capta US$ 200 mi para expansão na América Latina

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A Addi, startup que teve rápido crescimento ao oferecer a clientes na América Latina a opção “compre agora, pague depois”, levantou US$ 200 milhões em dívida e capital para ajudar a impulsionar a expansão na região.

Most Read from Bloomberg

A empresa de tecnologia financeira com sede em Bogotá disse que seu valuation está acima de US$ 700 milhões depois de levantar US$ 80 milhões em ações com o GIC Private, fundo soberano de Singapura, com o fundo da América Latina do SoftBank, entre outros. A rodada incluiu outros US$ 125 milhões em financiamento de dívida, a maior parte do Goldman Sachs.

A Addi tinha acabado de fechar uma rodada de captação de fundos em agosto, mas decidiu levantar mais capital para manter o crescimento, disse Santiago Suárez, CEO que cofundou a empresa em 2018. A Addi se beneficia de um forte volume de venture capital na América Latina. Os investimentos anuais em startups da região superaram US$ 10 bilhões pela primeira vez - de acordo com a Associação para Investimento de Capital Privado na América Latina - com grandes fundos como SoftBank, Tiger Global Management e Sequoia Capital Operations em busca de investimentos.

“Os negócios têm se acelerado muito mais rápido do que o esperado”, disse Suárez. “Portanto, decidimos encher o tanque de gasolina para continuar avançando em 2022 sem ter que nos preocupar com a captação de fundos em um futuro próximo.”

A Addi tem agregado clientes e varejistas em meio à expansão das vendas online e comércio eletrônico que durante a pandemia. A empresa, que recentemente entrou no Brasil, vai abrir um escritório no México em 2022 e está de olho em outros mercados, de acordo com Suárez.

Mais de 500 mil clientes e mil varejistas estão usando o sistema de processamento de pagamentos, em comparação com cerca de 30 mil clientes e 20 comerciantes há um ano, disse. O objetivo é quintuplicar o crescimento em 2022.

A tecnologia compre agora, pague depois da empresa permite que os clientes financiem as compras em prestações. A fintech também lançou um recurso de compra com um clique. A Addi trabalha com grandes varejistas, como Apple e Nike, mas também com pequenas lojas familiares.

É um ajuste natural em uma região onde a maioria da população não tem acesso a cartões de crédito ou outros produtos bancários, disse Suárez.

“Como consumidor, você pode ser rejeitado, pode não se qualificar, existem todas essas coisas que podem acontecer e tornam tudo muito difícil”, afirmou. “Estamos no bom caminho para construir uma nova forma de pagamento na região.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos