Mercado fechará em 4 h 49 min

Casa própria: conheça os financiamentos imobiliários disponíveis no Brasil

Os financiamentos ajudam a realizar o sonho da casa própria (Getty Images)

Muitos brasileiros recorrem a financiamentos imobiliários para realizar o sonho da casa própria. Por lei, pode ser financiado até 80% do preço final de um imóvel, dependendo da análise individual de cada instituição financeira. Famílias de baixa renda, que se valem do programa governamental “Minha Casa, Minha Vida”, possuem diferentes condições de financiamento, de acordo com a renda, sendo que o subsídio pode chegar a 95%.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Boa parte dos compradores, porém, não sabem quais são os tipos de financiamento imobiliário à sua disposição, o que pode comprometer o seu planejamento e a sua consequente. De acordo com o advogado especialista em Direito Imobiliário, Gustavo Milaré, sócio do Meirelles Milaré Advogados, basicamente, existem três tipos de financiamento imobiliário: Sistema Financeiro de Habitação (SFH), Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) e Consórcios.

Leia também:

Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

O SFH é oferecido por bancos públicos, como o Banco do Brasil e a Caixa. É o tipo de financiamento imobiliário mais popular e que, em geral, apresenta os menores custos de crédito. O valor máximo financiado é de R$ 1,5 milhão e o comprador pode utilizar recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE).

A taxa de juros é limitada a 12% ao ano e o comprador não pode comprometer mais do que 30% da sua renda com o financiamento. Os contratos podem durar até 35 anos.

Sistema Financeiro Imobiliário (SFI)

Em geral, o SFI destina-se aos imóveis de valores mais altos, porque não existem limites nem para esse valor, nem para o comprometimento da renda do comprador. Como o risco dessa operação para a instituição financeira é maior, essa modalidade de financiamento também apresenta os custos de crédito mais elevados.

As taxas de juros estão baseadas na Taxa Referencial (TR), o que, na prática, confere muita liberdade para os bancos juros que serão cobrados.

Consórcios

Os custos de crédito dessa terceira opção de financiamento imobiliário costuma colocá-la entre o SFH e o SFI. Os valores financiados também costumam ser menores, porque essa modalidade consiste na reunião de determinada quantidade de pessoas interessadas em imóveis de certo valor. Uma vez reunidas, a instituição calcula o valor das parcelas a serem pagas mensalmente por todos.

Quando esses pagamentos atingem o total do valor definido do consórcio, um dos participantes é contemplado com a chamada “carta de crédito” para comprar o imóvel, embora continue pagando as parcelas até o fim.