Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,07 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,00 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    29.958,37
    +570,57 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,54 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,23 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1540
    -0,0648 (-1,24%)
     

Fim do dinheiro fácil traz choque global de US$ 410 bilhões

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O declínio do dinheiro fácil está prestes a se acelerar à medida que a onda de compras de títulos por bancos centrais durante a pandemia é revertida e ameaça outro choque para as economias e mercados financeiros do mundo.

A Bloomberg Economics estima que as autoridades monetárias do G7 encolherão seus balanços em cerca de US$ 410 bilhões no restante de 2022. É uma guinada brusca em relação ao ano passado, quando eles adicionaram US$ 2,8 trilhões, o que elevou a expansão total para mais de US$ 8 trilhões desde que o vírus surgiu.

Essa onda de apoio monetário ajudou a sustentar as economias e os preços dos ativos durante a crise. Agora os bancos centrais recuam – tardiamente, na opinião de alguns críticos – à medida que a inflação dispara para máximas de várias décadas.

O duplo impacto do encolhimento dos balanços e das taxas de juros mais altas se soma a um desafio sem precedentes para uma economia global já atingida pela invasão da Ucrânia e pelos novos bloqueios de Covid na China.

Ao contrário dos ciclos de aperto anteriores, quando o Federal Reserve dos EUA estava sozinho na redução de seu balanço, desta vez espera-se que outros façam o mesmo.

‘Choque Maior’

A nova política, conhecida como aperto quantitativo – o oposto da flexibilização quantitativa a que os bancos centrais recorreram durante a pandemia e a Grande Recessão – provavelmente elevará os custos de empréstimos e esgotará a liquidez.

Os rendimentos crescentes dos títulos, os preços das ações em queda e o dólar mais forte já apertam as condições financeiras – mesmo antes que o esforço do Fed para aumentar as taxas de juros entre em pleno andamento.

“Este é um grande choque financeiro para o mundo”, disse Alicia Garcia Herrero, economista-chefe para Ásia-Pacífico da Natixis, que trabalhou anteriormente para o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional. “Você já está vendo as consequências na redução da liquidez do dólar e na valorização do dólar.”

Espera-se que o Fed eleve os juros em 0,5 ponto percentual em sua reunião de política monetária de 3 a 4 de maio e várias vezes depois, com traders prevendo cerca de 2,5 ponto percentual de aperto entre agora e o final do ano. As autoridades também devem começar a cortar o balanço a um ritmo máximo de US$ 95 bilhões por mês, uma mudança mais rápida do que a maioria das previsões no início do ano.

O banco central dos EUA vai atingir isso deixando suas participações em títulos do governo e títulos lastreados em financiamento imobiliário vencerem, em vez de vender os ativos que comprou. Os formuladores de políticas deixaram em aberto a opção de que podem, em um estágio posterior, vender títulos hipotecários e retornar a uma carteira de títulos do Tesouro.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos