Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.110,57
    -543,88 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Fim da crise com EUA vai levar tempo e exigir ações, diz chanceler francês

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O fim da crise diplomática entre França e Estados Unidos, desencadeada após o anúncio de um novo acordo dos americanos com o Reino Unido e a Austrália para armar este último com submarinos nucleares, "levará tempo e exigirá ações", segundo o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian.

Ele se reuniu nesta quinta-feira (23), em Nova York, com seu homólogo americano, o secretário de Estado Antony Blinken. O encontro se deu um dia depois de os presidentes dos dois países, Emmanuel Macron e Joe Biden, conversarem e colocarem panos quentes na relação diplomática.

Le Drian classificou o telefonema dos líderes como "um primeiro passo" para o fortalecimento dos laços. Aos jornalistas, Blinken confirmou o relato divulgado pelo francês e frisou que a reconciliação com Paris tomará tempo.

"Admitimos que isso levará tempo e trabalho duro e terá que ser demonstrado não só com palavras, mas também ações", disse o americano, que acrescentou estar "comprometido a atuar em estreita colaboração com Le Drian nesse esforço crucial".

"Estou seguro que nossos interesses comuns são tão fortes e que os valores que compartilhamos, tão firmes, que vamos seguir e fazer um bom trabalho."

Biden e Macron tentaram restabelecer a confiança abalada após o anúncio da aliança estratégica entre os Estados Unidos, a Austrália e o Reino Unido, que culminou no cancelamento de um contrato bilionário assinado em 2016 entre o país da Oceania e a França.

Ambos os líderes concordaram que "consultas abertas entre aliados" teriam evitado a situação. O acordo seria também um golpe para as ambições da França de fortalecer sua presença na região do Indo-Pacífico, palco de disputas territoriais, entre outras, envolvendo a China.

Na semana passada, Biden havia mencionado a França como "parceiro e aliado-chave", mas o ministro das Relações Exteriores francês disse que o anúncio do acordo "foi uma punhalada nas costas" e que o americano agiu como o ex-presidente Donald Trump, de maneira "unilateral, brutal, imprevisível".

Em declaração conjunta nesta quarta, Biden e Macron concordaram em se encontrar na Europa no final de outubro, e o francês decidiu que seu embaixador retornará a Washington já na próxima semana --gesto diplomático que bota panos quentes na relação entre os dois países. No jargão das relações internacionais, convocar um embaixador é um movimento que expressa forte insatisfação com o país que abriga os diplomatas.

É possível que os dois líderes se reúnam por ocasião da cúpula do G20 na Itália, marcada para os dias 30 e 31 de outubro, mas funcionários da Casa Branca disseram ao jornal The New York Times que o encontro pode ocorrer de forma separada, como um passo para reparar os danos provocados pela crise.

O encontro desta quinta entre Le Drian e Blinken foi realizado na missão diplomática francesa junto à ONU, em Nova York, durou cerca de uma hora e se deu com discrição, longe de microfones e câmeras.

O ministro francês "concordou em manter contato próximo" nos próximos meses com o americano, acrescentou o comunicado da chancelaria, que não deu mais detalhes sobre como isso seria feito.

Ainda nesta quinta, Blinken participou de encontro à margem da Assembleia-Geral da ONU com representantes do bloco Asean, do Sudeste Asiático. Ele disse que os EUA pretendem anunciar, neste outono (primavera do hemisfério sul), sua nova estratégia para a região do Indo-Pacífico.

Segundo ele, ela buscará uma região "livre, aberta, interconectada, resiliente e segura".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos