Mercado abrirá em 1 h 58 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,27
    +0,12 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.815,10
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    38.036,07
    -46,14 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    941,04
    +14,27 (+1,54%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.111,17
    -12,69 (-0,18%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.111,00
    +37,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1211
    +0,0028 (+0,05%)
     

Fim da cobrança de roaming entre Brasil e Chile é aprovado por deputados

·1 minuto de leitura

Um acordo entre Brasil e Chile vai eliminar a cobrança de roaming internacional para dados e telefonia móvel. O protocolo foi aprovado na quarta-feira (30) pela Câmara dos Deputados. De acordo com o documento, cada país deve adotar as medidas necessárias para que o sistema entre em vigor. O texto agora segue para aprovação no Senado.

Segundo o relator do projeto, deputado Aluisio Mendes (PSC/MA), o acordo "acarretará uma série de vantagens para os consumidores, com impacto direto sobre o desenvolvimento do mercado de telefonia móvel na região". Apesar disso, as operadoras locais não devem ser muito afetadas, já que a medida será restrita a poucos usuários.

Mesmo assim, as empresas estão preocupadas com o fato de esse tipo de arranjo favorecer a eliminação de barreiras de roaming internacional para aplicações da Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês). Além disso, há receios sobre a competitividade, já que companhias como Claro e Vivo, que têm operações em outros países da América Latina, podem oferecer condições melhores de roaming.

Imagem: Reprodução/Elements/panuruangjan
Imagem: Reprodução/Elements/panuruangjan

A aprovação na Câmara dos Deputados teve apoio do agronegócio, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e dos ministérios da Economia e das Comunicações. Durante a votação, houve debate sobre a possibilidade de o Congresso alterar os termos de um acordo internacional e decidiu-se que eles não poderiam ser modificados.

No Chile, o protocolo já foi aprovado. Quando for finalizada a aprovação no Brasil, o documento deve passar por regulamentação conjunta entre os reguladores dos dois países. O prazo para a implantação das medidas é de um ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos