Mercado fechará em 5 h 7 min
  • BOVESPA

    108.898,53
    -2.540,84 (-2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.735,32
    -572,39 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,94
    -1,03 (-1,43%)
     
  • OURO

    1.765,80
    +14,40 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    43.866,99
    -3.845,74 (-8,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,92
    -40,46 (-3,57%)
     
  • S&P500

    4.361,09
    -71,90 (-1,62%)
     
  • DOW JONES

    34.079,14
    -505,74 (-1,46%)
     
  • FTSE

    6.901,90
    -61,74 (-0,89%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.006,25
    -319,75 (-2,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2502
    +0,0508 (+0,82%)
     

Fim de ajuda da Covid reverte benefícios para autônomos nos EUA

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Foi necessária uma pandemia para o exército de trabalhadores autônomos dos Estados Unidos conseguir acesso a algumas das proteções sociais dos que possuem carteira assinada. Agora, estão prestes a perdê-las novamente.

Mesmo antes da chegada da Covid-19, o modelo de contrato independente para trabalhadores se expandia entre empresas que buscavam uma forma de reduzir custos. A crise de saúde acelerou essa tendência e levou autoridades a oferecerem apoio financeiro para freelancers quando grande parte da economia estava paralisada.

A Assistência ao Desemprego Pandêmico (PUA, na sigla em inglês) foi o primeiro programa de nível federal voltado para os chamados trabalhadores independentes nos EUA. Agora começa a ser revertido, e o governo Biden tenta encontrar soluções para melhorar as condições de vida de uma parcela cada vez maior da força de trabalho.

Para Rubi Jones, cabeleireira autônoma de 33 anos, o PUA foi um alívio. Na ausência de qualquer proteção, sua estratégia muitas vezes era trabalhar muitas horas. Quando grávida, Jones trabalhou até os oito meses e meio de gestão e retomou as atividades quatro semanas após o parto.

Quando veio a pandemia, essa rota foi fechada. “Meu trabalho foi completamente fechado”, disse. “De 13 de março a junho, quando as reaberturas ocorriam em Nova York, não toquei em nenhum cabelo, exceto o meu.” Então se inscreveu no PUA, como mais de 15 milhões de americanos fizeram em meados do ano passado.

Ainda havia cerca de 5,3 milhões de participantes no programa até 9 de julho, e uma média de cerca de 100 mil novos pedidos foram registrados semanalmente desde então. Mas pelo menos metade dos estados americanos já suspendeu os benefícios de desemprego da pandemia, e mais devem seguir o mesmo caminho antes do prazo final de 6 de setembro definido pelo Congresso.

Cerca de 59 milhões de americanos trabalharam como freelancers em 2020, e o número tende a aumentar. Um novo estudo da empresa de recrutamento Upwork revelou que 20% dos profissionais - o equivalente a 10 milhões de pessoas - consideraria a possibilidade de trabalhar como freelancer, principalmente para preservar a flexibilidade do trabalho em casa. Cerca de 90% das empresas esperam aumentar o número de profissionais freelancers no próximo ano, segundo pesquisa de junho da empresa de gestão de autônomos Stoke.

Isso significa que o risco está migrando das empresas para indivíduos, disse a economista Laura Sherbin, vice-presidente sênior da Seramount, consultoria com foco na diversidade no local de trabalho. Com menos segurança no emprego, o que os trabalhadores realmente precisam é de uma rede de proteção social mais forte, disse Sherbin.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos