Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,41
    -0,22 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.786,80
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    57.027,45
    +2.309,29 (+4,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,84
    +59,53 (+4,24%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.310,17
    +497,54 (+1,73%)
     
  • NASDAQ

    13.521,00
    +30,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4274
    +0,0005 (+0,01%)
     

Filmes e séries censurados na Netflix a pedido de governos

Rafael Monteiro
·3 minuto de leitura
Especial da Porta dos Fundos, A Última Tentação de Cristo  e A Noite dos Mortos-Vivos: filmes censurados no streaming, em pleno século XXI (reprodução)
Especial da Porta dos Fundos, A Última Tentação de Cristo e A Noite dos Mortos-Vivos: filmes censurados no streaming, em pleno século XXI (reprodução)

Engana-se quem pensa que a censura é um assunto superado no mundo. Mesmo as empresas poderosas de streaming, como a Netflix, já precisaram retirar conteúdos da sua programação por determinação de governos.

No ano passado, a própria Netflix revelou quais obras acabaram saindo do catálogo em determinados territórios após ordem da Justiça nos últimos anos. Confira abaixo quais são elas:

Leia também:

"Especial de Natal: Se Beber, Não Ceie" e "A Última Tentação de Cristo" – removidos em Singapura em 2019

Cena do especial
Cena do especial "Se Beber, Não Ceie", censurado em Singapura (reprodução)

O especial de Natal dos brasileiros da Porta dos Fundos e o filme clássico de Martin Scorsese lançado em 1988 acabaram censurados em Singapura pelos mesmos motivos religiosos. Apesar do governo local oficialmente defender a liberdade de credos, as autoridades alegaram que obras que fazem piada (caso do Especial) ou recriam a narrativa bíblica (A Última Tentação de Cristo) podem afetar a "harmonia entre crenças" no país.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

"The Bridge" – removido na Nova Zelândia em 2015

O documentário de Eric Steel mostra as tentativas de suicídio na ponte Golden Gate de São Francisco, nos Estados Unidos. O governo da Nova Zelândia não achou que o filme seria uma boa influência e pediu a retirada da obra do catálogo local da Netflix. Em 2017, o país da Oceania registrou a maior taxa de suicídio entre jovens do mundo - 15,6 suicídios por 100 mil pessoas.

"Nascido para Matar" – removido no Vietnã em 2017

O clássico de Stanley Kubrick, lançado em 1987, mostra a visão dos Estados Unidos sobre a Guerra do Vietnã (1955-1975). No Vietnã, a obra não é muito bem-vista por ignorar o sofrimento do país durante o confronto. Pensando nisso, o governo conseguiu censurar o filme em seu território.

"A Noite dos Mortos-Vivos" – removido na Alemanha em 2017

A Netflix acabou acatando um pedido da Comissão Alemã de Proteção à Juventude e retirou o clássico do terror George Romero do seu catálogo por ser "violento demais".

"Cozinhando em 4:20" e "Disjointed" – removidos em Singapura em 2018

As duas obras descontraídas mostram pessoas consumindo à vontade produtos feitos à base de cannabis. O governo de Singapura - país onde o tráfico de drogas é punido com pena de morte - não gostou muito disso e conseguiu proibir as obras na Netflix local.

"Patriot Act with Hasan Minhaj" – removido na Arábia Saudita em 2019

O governo saudita conseguiu censurar um episódio bastante polêmico da série de sátira política. Ao abordar a tortura e o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, o programa zomba especialmente das autoridades locais, que alegam que o profissional não foi executado a pedido do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman - as autoridades dos Estados Unidos dizem que ele é culpado. Após a censura, a Anistia Internacional qualificou o episódio como “mais uma prova de uma repressão implacável à liberdade de expressão”. 

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.