Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.456,77
    +361,58 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Filme da Batgirl é cancelado pela Warner; entenda o motivo

A Warner Bros. Discovery cancelou o filme da Batgirl que estava planejado para chegar à HBO Max ainda em 2022. O anúncio pegou todo mundo de surpresa, principalmente pelo fato de o longa estar quase pronto, com direito até mesmo a imagens oficiais e exibições-teste. Com isso, o projeto de quase US$ 90 milhões foi inteiramente descartado e não chegará nem ao streaming e muito menos ao cinema.

Em um comunicado oficial, a empresa justificou o cancelamento do filme como reflexo da mudança estratégica que a liderança da companhia adotou em relação ao seu universo de super-heróis da DC e a HBO Max. Além de Batgirl, a animação Scoob! Holiday Haunt também foi descartada.

Essa tal mudança de estratégia que a nota oficial do estúdio se refere diz respeito à fusão da Warner Bros. com a Discovery no início deste ano, o que mexeu não apenas em sua diretoria, mas também no modo com que o estúdio como um todo passou a enxergar e a executar seus projetos. Tudo isso a partir da chegada de David Zaslav à presidência do novo conglomerado.

Batgirl subiu no telhado para nunca mais voltar (Imagem: Divulgação/Warner Bros.)
Batgirl subiu no telhado para nunca mais voltar (Imagem: Divulgação/Warner Bros.)

Desde que chegou, o executivo já adotou um discurso de rever algumas decisões que haviam sido tomadas pelo estúdio, sobretudo em relação ao seu universo de super-heróis. Em linhas gerais, ele queria novamente apostar em histórias compartilhadas, ao estilo Marvel, e dar o devido destaque a seus medalhões, como Superman e Batman. Ao mesmo tempo, a ideia era voltar as atenções para os cinemas, tirando a ênfase que estava sendo dada à HBO Max.

O grande problema é que essa nova relação com o streaming foi na total contramão do que seu antecessor, Jason Kilar, havia proposto cerca de um ano antes. Foi Kilar quem, no final de 2020, anunciou que todos os filmes lançados pela Warner em 2021 teriam lançamento simultâneo nos cinemas e também em sua plataforma digital — uma política que ajudou a crescer a base de usuários do serviço, mas afetou tanto a bilheteria de seus blockbusters como também abalou a relação com cineastas e atores.

Como Batgirl entrou nesse rolo

E foi em meio a esse destaque dado à HBO Max que Batgirl foi anunciado. O filme foi pensado como um projeto um pouco menor, de apenas US$ 75 milhões, que chegaria ao streaming sem muitas conexões com as demais produções destinadas ao cinemas, mas ainda com algumas pontes para não deixá-lo tão isolado.

Assim, a protagonista vivida por Leslie Grace (Em um Bairro em Nova York) seria filha do comissário Gordon de J.K. Simmons — o mesmo de Liga da Justiça — e seria treinada pelo Batman de Michael Keaton, o que também criaria laços com o vindouro The Flash. O vilão seria o criminoso incendiário Vagalume, que seria interpretado por Brendan Fraser em seu retorno ao cinema de ação.

Filme traria conexões com Liga de Justiça e também com o vindouro The Flash (Imagem: Reprodução/DC Comics)
Filme traria conexões com Liga de Justiça e também com o vindouro The Flash (Imagem: Reprodução/DC Comics)

Só que os problemas começaram junto com a pandemia de covid-19. Os atrasos nas gravações e a adoção de políticas de segurança sanitária elevaram os custos de produção para US$ 90 milhões, o que o colocou dentro de um limbo preocupante. Como fontes ligadas à Warner Bros. Discovery afirmaram ao site Variety, Batgirl se tornou grande demais para ser apenas um filme para o streaming, mas muito pequeno para justificar um lançamento nos cinemas.

Segundo esses informantes, a conta simplesmente não batia. Pensando na HBO Max, o estúdio passou a acreditar que ele não traria o retorno a todo o investimento feito. Já na possibilidade de levá-lo aos cinemas, seria preciso injetar ainda mais dinheiro para deixá-lo dentro do padrão de qualidade esperado para esse tipo de lançamento — além de todo o custo de marketing —, o que poderia fazer com que os custos mais do que dobrassem. E, como a política de Zaslav é fechar o bolso e economizar, essa possibilidade foi logo descartada.

Dessa forma, a solução encontrada foi cancelar o projeto por completo. De acordo com essas fontes, essa foi a saída considerada financeiramente mais vantajosa, até para minimizar também os custos com impostos. O problema é que isso inviabiliza que Batgirl seja lançado no futuro, seja nos cinemas ou mesmo na HBO Max, independente do quão avançada estava a produção.

Choque na produção

Essa saída radical adotada pela Warner Bros. Discovery pegou todo mundo de surpresa pelo fato de Batgirl estar quase pronto. As filmagens já tinham sido encerradas há mais de um mês e os diretores Adil El Arbi e Bilall Fallah trabalhavam na pós-produção do longa. Tanto que, embora ele ainda não tivesse uma data de estreia, a previsão ainda era para que ele chegasse ao streaming em 2022.

A notícia foi inesperada até para quem trabalhou no projeto. Até poucos dias atrás, a atriz Leslie Grace compartilhou imagens com fãs e fez menção ao filme. De acordo com o site Discussing Film, os diretores ficaram sabendo do cancelamento enquanto estavam no casamento de Adil.

Além disso, outros cineastas também se mostraram bastante chocados com a notícia. O diretor Scott Derrickson (O Telefone Preto) demonstrou incredulidade em seu perfil no Twitter, dizendo nunca ter visto algo do tipo acontecer com um filme desse tamanho. Segundo o site Deadline, um executivo de um estúdio rival classificou a decisão da Warner Bros. Discovery como algo sem precedentes em Hollywood.

Futuro incerto

Só que o cancelamento de Batgirl acendeu também um alerta em outras produções da DC que estavam sendo tratados como filmes menores. Embora a Warner Bros. Discovery não tenha comentado nada sobre a possibilidade de outros projetos serem descartados dessa forma, filmes como Besouro Azul e Zatanna passaram a ser vistos com preocupação.

Ao mesmo tempo, os fãs não demoraram a expressar sua indignação com a decisão da Warner. Segundo eles, havia muita expectativa para a estreia de Batgirl, por ser o primeiro filme do gênero a ser protagonizado por uma mulher latina, além de ter um elenco bem variado em termos de representatividade. Isso sem falar que a personagem é bastante popular em outras mídias, sobretudo entre crianças e adolescentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos