Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.020,35
    -27,94 (-0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Filho de Mussum luta na Justiça para acrescentar nome do humorista a seu documento

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dentista Igor Palhano, 29, que descobriu no ano passado ser filho biológico do humorista Mussum (1941-1994), de Os Trapalhões, aguarda agora a confirmar da paternidade pela Justiça e afirma que quer incluir o sobrenome do comediante em seus documentos. Já a herança, ele diz não ser o principal. Palhano contou, em entrevista ao programa Domingo Espetacular (Record), que soube que era filho de Mussum quando tinha 18 anos, mas preferiu não revelar a ninguém em respeito ao padrasto. "Ele não gostava, era como se eu estivesse sendo injusto com ele. Ele não falava isso, mas eu tinha isso na minha cabeça." Foi só no ano passado, que ele decidiu fazer o teste de DNA, já com apoio dos demais filhos do humorista, com quem ele mantém, uma relação bastante amigável. "Fiz com meu irmão mais velho. Assim que ele soube, se disponibilizou foi bem tranquilo", afirma ele, que completa: "Quando vi que tinha 99,999% compatível foi surreal. Agora, o objetivo de Palhano é conseguir acrescentar o nome de Mussum a seus documentos, mas sem tirar o sobrenome de seu padrasto, que o registrou ainda bebê. Já em relação à herança que ele também deverá ter acesso diz que "se tiver alguma coisa tudo bem e se não tiver tudo bem também porque não faz diferença", afirma. *