Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.723,00
    +2.216,00 (+2,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    40.791,81
    +455,91 (+1,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,12
    -1,00 (-2,43%)
     
  • OURO

    1.888,20
    +14,90 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    15.905,39
    -56,76 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    315,08
    +2,21 (+0,71%)
     
  • S&P500

    3.585,15
    +48,14 (+1,36%)
     
  • DOW JONES

    29.479,81
    +399,61 (+1,37%)
     
  • FTSE

    6.316,39
    -22,55 (-0,36%)
     
  • HANG SENG

    26.156,86
    -12,54 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    25.385,87
    -135,03 (-0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.945,25
    +125,25 (+1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4611
    +0,0180 (+0,28%)
     

Filho convence pai de 85 anos a votar em SP: 'temos que exercer nosso direito'

João de Mari
·4 minuto de leitura
Pai e filho n PUC-SP neste domingo (15) de eleições (Foto: Vinícius Custódio/Yahoo)
Pai e filho n PUC-SP neste domingo (15) de eleições (Foto: Vinícius Custódio/Yahoo)

O artista plástico Jorge Luís Alves, 55, convenceu seu pai, de 85 anos, a comparecer a PUC (Pontifícia Universidade Católica) em Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo para votar neste domingo (15). Embora não fosse obrigado a votar — o voto é facultativo para quem tem mais de 70 anos —, Jorge conta que seu pai fez questão de “exercer seu direito”.

Segundo o artista plástico, seu pai foi um dos funcionários mais antigos da universidade, sendo um dos primeiros administradores do Teatro da PUC, o TUCA. “Muita gente morreu para gente conquistar esse direito [do voto] e temos que honrá-lo”, diz Jorge.

Local de votação do candidato à prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL), a universidade PUC teve um momento de calmaria passado o momento em que o psolista esteve em sua seção eleitoral para votar.

“Eu estou muito feliz, porque eu já vejo que é uma tendência que vai criando raízes. Espero que menos pessoas achem que os políticos não prestam. Não fiz cabeça de ninguém, não falei para meu pai votar em alguém específico, apenas disse que ele tinha que votar, porque temos que exercer nosso direito”, conta.

Leia também

Além disso, Jorge revela que um dos argumentos que utilizou para convencer o pai dele a votar, foi mostrar a ele que como moradores de um bairro classe média alta em São Paulo eles usufruem de benefícios que vão de segurança a infraestrutura. Para ele, o mesmo não acontece nas periferias da cidade e, por este motivo, ele acredita que se deve “olhar pelos mais fracos”.

“Nas periferias as pessoas não têm as vantagens que temos aqui na região de Perdizes, como segurança e ruas recapeadas todos os anos. Então temos a obrigação de olhar pelos os mais fracos, os mais pobres: não é assistencialismo, é um dever nosso”, conclui.

Por fim, ele atribui o exercício de votar sem “demonizar” políticos, dizendo que “são todos iguais”, a uma melhor escolha para a cidade.

“A gente conquistou o direito e temos que ir lá e votar, pois veja o que aconteceu na ultima eleição [presidencial de 2018]: pegaram nojo por políticos e elegeram esse cara [Jair Bolsonaro] como uma aberração da política”.

Eleições municipais em São Paulo

As Eleições 2020 movem praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa tem sido uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Quase 9 milhões de paulistanos irão às urnas para escolher o novo prefeito e a nova composição da Câmara de Vereadores da capital paulista.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

O município de São Paulo tem 8.986.687 eleitores aptos a votar nas Eleições 2020, e se a Câmara disponibilizou 55 cadeiras para vereadores, basta dividir 8.986.687 por 55, que resulta em 163.394 votos individuais.

Se você ainda não votou, leve de preferencialmente uma caneta própria para assinar o caderno dos mesários. E não se esqueça de conferir quais são os documentos necessários para votar. Por conta da pandemia, as urnas estão abertas das 7h às 17h (horários de Brasília).

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI. O segundo turno ocorrerá em dois domingos, no dia 29 de novembro de 2020.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.

O que faz um vereador?

Eleito por votos da população, o vereador que é um agente político, trabalha no Poder Legislativo da esfera municipal da federação brasileira. Lembrando que o Brasil é dividido em três grupos de poder: União, Estados e Municípios. Pode-se dizer que o vereador exerce um papel similar ao dos deputados e senadores fazem nas esferas Estados e União. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um vereador, CLIQUE AQUI.