Mercado fechado

Filha rouba R$ 725 milhões da mãe em esquema de roubo de quadros e joias

Esquema de roubo envolvia até obra da Tarsila do Amaral
Esquema de roubo envolvia até obra da Tarsila do Amaral (Getty Image)
  • Filha de viúva de colecionador de arte é suspeita de roubar obras da mãe

  • Algumas das peças foram recuperadas durante a Operação Sol

  • Quadros chegam a valer R$ 200 milhões

Quadros de Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral foram recuperados pela Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade durante a Operação Sol. A investigação buscava um esquema que roubava obras de arte e joias. A filha de uma das vítimas foi presa por participar do esquema.

A polícia estima que o prejuízo chegou a R$ 725 milhões. As investigações calculam que as 21 joias e três relógios Rolex dados à quadrilha estão avaliados em R$ 6 milhões.

Durante a operação, 6 mandados de prisão e 16 de busca e apreensão, cumpridos na Zona Sul e nos bairros da Abolição e do Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

De manhã cedo, no momento em que a a polícia chegou na casa da suspeita, ela tentou fugir pulando pela janela. Os investigadores encontraram 11 obras de arte, avaliadas em R$ 250 milhões.

A mãe da mulher investigada é uma idosa de 82 anos. Ela é viúva de um marchand (negociador de obras de arte). De acordo com a delegacia, a mulher foi ludibriada pelo grupo, que ofereceu tratamento espiritual para uma das filhas em troca de dinheiro.

Quando a a vítima não quis mais realizar os pagamentos, passou então a ser mantida em cárcere privado pela filha, entre fevereiro de 2020 e abril de 2021. Durante esse período, foram levadas as obras 'O Sono', de Tarsila do Amaral; 'O menino', de Alberto Guignard; 'Mascaradas', de Di Cavalcanti; 'Maquete para o meu espelho'; de Antônio Dias; e 'Elevador Social'; de Rubens Gerchman. A mais cara está avaliada em R$ 300 milhões.

Até agora, a polícia só conseguiu recuperar 40% do total do prejuízo informado. Parte das obras deixaram o país e estão em Buenos Aires, na Argentina. A investigação aponta que os suspeitos são acusados de estelionato, roubo, extorsão, cárcere privado e associação criminosa.