Mercado fechará em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,88
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.907,00
    -4,70 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    11.781,41
    +724,40 (+6,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    237,80
    +4,13 (+1,77%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.897,39
    +12,74 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.710,25
    +60,00 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6147
    +0,0158 (+0,24%)
     

Filha de Fabiana Karla, Laura Simões mora sozinha em SP e investe na carreira de modelo e cantora: 'Sonho alto'

·1 minuto de leitura

Aos 21 anos, Laura Simões vai trilhando seu próprio caminho. Filha de Fabiana Karla, ela mora sozinha em São Paulo, faz faculdade de produção fonográfica na Belas Artes e se divide entre as carreiras de cantora e modelo (desde o ano passado ela é contratada como curve model na agência Ford Models). No fim de 2019, Laura lançou seu primeiro single, "Sinais", de sua própria autoria.

"A música sempre foi algo presente na minha vida, de maneira muito intuitiva. Minha mãe percebeu isso quando eu ainda era criança. Não tive muito como fugir da carreira artística. Meu sonho é ganhar um Grammy, levar minha música para o maior número de pessoas. Sonho alto e com o pé no chão", disse Laura na live com Andréa Sorvetão no Instagram.

Laura é a única dos três filhos da atriz que segue uma carreira artística. Ela já pensou em fazer Medicina, chegou a fazer cursinho para prestar vestibular, mas desistiu. O chamado para as artes foi maior: "Me encontrei na cena musical de São Paulo e vivo muito bem sozinha. Gosto de ficar sozinha".

Vaidosa e empoderada, Laura virou também uma inspiração para outras meninas, principalmente quando começou a fotografar como modelo profissional. "Existe uma pressão estética que coloca a gente para baixo. Recebo muitas mensagens de meninas me agradecendo por eu estar me expondo, me colocando. Essa responsabilidade eu acabo tendo", acredita a jovem, que também teve seu próprio tempo para se aceitar como era: "Por muito tempo, eu pensava que minha vida só começaria, que eu só poderia iniciar uma carreira, depois de emagrecer. Se amar no mundo em que a gente vive é uma construção. Cada um escolhe a ferramenta para se sentir melhor".