Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.406,00
    +2.221,66 (+6,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Filha de Bussunda fala pela primeira vez: 'Quando meu pai morreu, eu fiquei míope'

·1 minuto de leitura

Quando era criança, Júlia Besserman acreditava que o pai, Bussunda, era um super-herói e que o poder dele vinha da enorme barriga. Também está relacionada a essa parte do corpo a primeira lembrança que ela guarda do pai. Ainda era bebê quando os dois tomaram um caldo “absurdo” no mar. Recorda a desorientação, a falta de ar, o desespero e... um objeto não identificado que cobriu o sol. Era ela novamente, a barriga de Bussunda, que fora lhe salvar.

Quase todas as memórias que Júlia tem do pai, como essas que ela conta no documentário “Meu amigo Bussunda”, que estreia na próxima quinta-feira (17, data dos 15 anos de morte do humorista), no Globoplay, são da praia. Ele a ensinou a pegar onda, jacaré, a saber a diferença entre vala e boca... Mandou até fazer uma prancha para que fizessem aulas em família no Havaí, mas não deu tempo. A prancha nunca mais saiu de casa e Júlia se distanciou do mar.

Poucos meses após a perda, aos 12 anos, ela teve um problema na visão ("quando o meu pai morreu, eu fiquei míope") e deixou de enxergar as ondas. Nesta entrevista, a roteirista, professora de storytelling do Colégio São Vicente e diretora de um dos episódios da série sobre o pai, conta que fez de tudo para evitar lidar com o luto e precisou trabalhar o sentimento de culpa ("Pensava: 'Se tivesse ligado no dia, talvez ele tivesse ido ao médico'"). Aos 27 anos, Júlia problematiza as piadas politicamente incorretas feitas pelo pai no Casseta & Planeta ("vi e falei: 'nossa'"), mas também prova que herdou o humor de Bussunda.

Leia a entrevista completa aqui

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos