Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,00
    -0,21 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.836,40
    -4,80 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    30.442,27
    +1.665,61 (+5,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    678,10
    +25,86 (+3,97%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.558,36
    +437,68 (+2,18%)
     
  • NIKKEI

    26.665,24
    +262,40 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    11.999,75
    +121,50 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1700
    -0,0488 (-0,94%)
     

FIJ considera que compra do Twitter por Musk ameaça liberdade de imprensa

·1 min de leitura
Após o anúncio da aquisição do Twitter por Elon Musk, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) expõe preocupação com a liberdade de imprensa na rede social (AFP/Glenn CHAPMAN) (Glenn CHAPMAN)

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), a maior entidade do jornalismo no mundo, considerou nesta terça-feira (26) que a compra do Twitter por parte do bilionário Elon Musk representa uma ameaça à liberdade de imprensa.

A operação, que já obteve sinal verde do conselho de diretores da rede social, "ameaça o pluralismo e a liberdade de imprensa, e cria um terreno fértil para a desinformação", afirmou a Federação, que representa 600 mil jornalistas através de 187 sindicatos e associações de 146 países.

Musk, CEO da montadora de automóveis elétricos Tesla e do grupo aeroespacial Space X, "é conhecido por ter criticado durante muito tempo as políticas de moderação de conteúdo do Twitter e ter pedido inúmeras vezes para que a rede social fosse menos regulada", disse a FIJ em um comunicado.

"A compra do Twitter, que tem mais de 400 milhões de usuários em todo o mundo, significa que agora será propriedade de uma única pessoa ao invés de vários acionistas", enfatizou a federação.

A entidade criticou em particular o desejo de Musk de autenticar os usuários da rede social, por estimar que a ausência do anonimato "prejudicaria gravemente a proteção (...) de muitos jornalistas e fontes de todo o mundo".

A FIJ também teme que uma menor moderação de conteúdo poderia "aumentar a desinformação e ameaçar o jornalismo de qualidade".

O espaço do Twitter deve ser "devidamente moderado, respeitando a liberdade de expressão. É um equilibrio delicado em que qualquer proprietário do Twitter deve ter cuidado", afirmou Anthony Bellanger, secretário-geral da FIJ, em um comunicado.

"Nos preocupa que os planos de Musk para o Twitter vão na direção errada, ao aumentar as oportunidades de ataques aos jornalistas e a ameaça do anonimato para os usuários", completou.

aro/fmi/ahg/mb/gf

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos