Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.782,60
    +12,10 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    65.995,66
    +1.878,79 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.357,00
    -41,50 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5190
    +0,0228 (+0,35%)
     

FIFA cobra R$ 5,5 bilhões para EA usar marca nos jogos

·2 minuto de leitura

Após décadas de parceria, a EA parece estar disposta a seguir com seus jogos de futebol sem a marca FIFA. O motivo seria o valor cobrado pela organização mundial do esporte. Uma reportagem do The New York Times revelou que a FIFA pede mais de US$ 1 bilhão, cerca de R$ 5,5 bilhões em conversão direta, para continuar o contrato de licenciamento da marca.

O preço dobra o que foi pago pela EA atualmente e levou a desenvolvedora da Califórnia a divulgar um comunicado declarando que está pensando em aposentar a marca FIFA nos videogames. O estúdio planeja continuar lançando os simuladores de futebol com um novo nome e já registrou a marca EA Sports FC.

As vendas da franquia, que ganha uma edição atualizada a cada ano, ultrapassaram US$ 20 bilhões nas últimas duas décadas, cerca de R$ 110 bilhões na cotação atual. A FIFA teria lucrado cerca de US $ 150 milhões por ano com os lançamentos, se tornando o contrato comercial mais valioso da organização.

O fim do casamento entre FIFA e EA não é apenas sobre dinheiro. Segundo o The New York Times, as negociações foram paralisadas porque a empresa e a entidade não chegaram a um acordo sobre outros direitos de exclusividade ligados à marca.

A FIFA quer limitar os direitos de exploração do contrato com a EA, muito provavelmente em um esforço para buscar novas fontes de receita para os direitos que possui. Enquanto isso, a EA Sports afirma que a empresa deveria ter permissão para explorar financeiramente outros empreendimentos dentro do ecossistema da marca, incluindo torneios de videogame de arena e produtos digitais, como NFTs.

Acordo com a FIFA, permite EA explorar marca e competições como a Copa do Mundo (Imagem: Divulgação/EA Sports)
Acordo com a FIFA, permite EA explorar marca e competições como a Copa do Mundo (Imagem: Divulgação/EA Sports)

A licença da FIFA concede a EA Sports o uso do nome e logotipo da organização e os direitos da Copa do Mundo de futebol. Para a FIFA, uma ruptura com a EA e a perda dos pagamentos de licenciamento de nove dígitos podem ameaçar algumas das inovações propostas pelo presidente da entidade, Gianni Infantino.

A organização busca levantar até US$ 2 bilhões para financiar um novo formato para Copa do Mundo, maior e com mais clubes, e em uma frequência também maior, ocorrendo a cada dois anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos