Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.311,59
    -118,59 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Fiesp terá dia agitado com Alckmin e assembleia de insatisfeitos contra Josué

**Arquivo**SAO PAULO,SP, . 21/11/2013 -  Entrevista Josue Gomes da Silva, empresario e filho de Jose Alencar (foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
**Arquivo**SAO PAULO,SP, . 21/11/2013 - Entrevista Josue Gomes da Silva, empresario e filho de Jose Alencar (foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Marcada para esta segunda-feira (16) na Fiesp, a assembleia geral extraordinária que foi convocada para ouvir as queixas dos sindicatos insatisfeitos com a gestão de Josué Gomes da Silva no comando da entidade pode acabar com um pedido para destituí-lo, mas também com uma grande conciliação.

A estimativa é de alguns dos próprios empresários que vêm pressionando contra Josué, ou seja, a disposição para tentar derrubá-lo do posto não é um consenso ainda.

Segundo um deles, tudo vai depender dos acenos que Josué fizer para reconquistar a confiança do grupo, ouvir as demandas dos sindicatos e recebê-los para reuniões na entidade, afastando a sensação de que estão excluídos dos debates.

Nesta segunda, no mesmo dia da assembleia, Josué convidou o vice-presidente e ministro da Indústria, Geraldo Alckmin para um almoço na Fiesp. O gesto foi interpretado como uma amostra de poder político que desagradou os sindicatos insatisfeitos, porque viram tentativa de tirar o foco da agenda interna da instituição.

Foi em meados do anos passado que a reação de oposição começou a vir à tona, depois que a Fiesp, sob Josué, saiu em defesa da democracia quando o ex-presidente Jair Bolsonaro colocava as urnas eletrônicas sob suspeição.