Mercado abrirá em 1 h 52 min
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,67
    +0,12 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.827,70
    +8,80 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    19.121,54
    -50,20 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,04
    -4,82 (-1,27%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.397,00
    +12,27 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.443,75
    -8,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2993
    -0,0077 (-0,12%)
     

Ficou mais salgado: Tesla aumenta preço de seu sistema de direção autônomo

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

Ao longo da semana anterior, a montadora Tesla começou a, finalmente, liberar um teste Beta de seu sistema de direção completamente autônomo Full Self-Driving para quem já possui um carro da marca. Prometido — e comercializado a preços promocionais — há anos, o pacote opcional promete fazer com que o carro dirija sozinho em rodovias e cidades, identificando outros veículos ao seu redor, trocando de faixa caso necessário e ajustando sua velocidade de acordo com a situação.

Pois bem. Acontece que tal opcional está ficando cada vez mais caro conforme chegamos perto do lançamento de uma versão estável, e, nesta semana, a Tesla cumpriu o prometido por seu CEO Elon Musk e aumentou o preço do FSD em US$ 2 mil. Isso significa que, para contratar o pacote, agora é necessário desembolsar US$ 10 mil, quando o preço até semana passada era de R$ 8 mil.

Vale lembrar que, antes do mês de maio, o opcional custava “apenas” US$ 5 mil; embora os aumentos vertiginosos possam parecer abusivos, todos nós sabemos que a estratégia da Tesla sempre foi dar descontos generosos para os clientes que decidem apostar desde cedo em novas tecnologias propostas pela marca — uma atitude conhecida em inglês como “early bid” ou “early adopting”.

Também é importante ressaltar que, diferente do que a propaganda sugere, o Full Self-Driving não pode ser considerado um sistema de condução 100% autônomo segundo os padrões da Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE International no original em inglês), visto que ele ainda exige a presença de um motorista atento ao volante para casos de eventuais falhas no algoritmo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: