Mercado fechará em 48 mins
  • BOVESPA

    100.083,33
    -933,63 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.993,57
    -252,29 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,72
    +1,16 (+3,01%)
     
  • OURO

    1.911,00
    +5,30 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    13.732,40
    +625,17 (+4,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    272,23
    +10,94 (+4,19%)
     
  • S&P500

    3.401,94
    +0,97 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    27.595,99
    -89,39 (-0,32%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.585,50
    +93,25 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6996
    +0,0591 (+0,89%)
     

Fiat usará plataforma do novo Peugeot 208 para seus carros compactos

br.info@motor1.com (Nicolas Tavares)
·3 minutos de leitura
Projeção - Fiat Punto 2021
Projeção - Fiat Punto 2021

Marca começou a avisar fornecedores que adotará a arquitetura CMP

Até agora, sabemos muito pouco sobre como a fusão entre a Fiat-Chrysler e o Grupo PSA irá afetar os carros de ambas as fabricantes, além do fato de que irão manter todas as marcas dos dois grupos. Uma reportagem do Automotive News Europe, porém, esclarece um pouco do futuro das empresas, revelando que a FCA irá adotar a plataforma modular CMP, a mesma do novo Peugeot 208, para todos os seus carros compactos.

De acordo com o Autonews Europe, a Fiat-Chrysler já enviou uma carta para todos os seus fornecedores, pedindo para parar imediatamente qualquer pesquisa, desenvolvimento ou construção de ferramentais relacionados aos futuros modelos do segmento B (ou seja, compactos). Isso seria para evitar investimentos no uso das plataformas atuais da FCA. O comunicado para os fornecedores europeus dizem que a plataforma CMP será usada nos carros feitos na fábrica em Tychy (Polônia), enquanto a mídia italiana afirma que a Fiat pode fazer 400 mil unidades por ano.

A adoção da plataforma CMP faz sentido por outros motivos. Como a fusão ainda não foi aprovada, tanto a Fiat-Chrysler quanto o Grupo PSA precisam agir como rivais. Então o uso da arquitetura está sendo tratado como uma cooperação entre as empresas, de forma que isso poderá seguir em frente mesmo se a fusão atrasar por algum problema na justiça pelas leis antitruste.

Leia também:

O segmento dos carros compactos é algo importante para a FCA e ela já está de olho em um retorno nesta categoria, principalmente para a Europa. A marca já confirmou que não irá mais trabalhar com subcompactos após o lançamento do 500, o que irá afetar também o Panda. “Em um futuro muito próximo, vocês nos verão focar novamente neste segmento de grande volume e margem maior de lucro, e isso irá envolver nossa saída do segmento de subcompactos”, disse Mike Manley, CEO da FCA, no ano passado em uma conferência com analistas.

Usar a CMP ajudará a Fiat-Chrysler de outras formas. Como é uma plataforma pronta, não terá que investir em pesquisa e desenvolvimento, além de já ser uma arquitetura preparada para modelos eletrificados, sejam híbridos ou 100% elétricos. E haverá um ganho em escala, já que é a mesma base dos Peugeot 208 e 2008, Opel Corsa e Mokka, DS3 Crossoback, e Citroën C4.

Com a adoção da plataforma CMP, a Fiat espera retornar com um novo Punto para o mercado europeu, já que ele saiu de linha em 2018 por lá. Até o momento, as informações falam apenas da Europa e não há qualquer indício de como isso irá afetar outros mercados. No Brasil, a marca já tem uma plataforma mais atual, na forma da MP1 usada pelo Argo e Cronos, com uma variação usada pela picape Strada. Mas a produção da CMP já confirmada em Porto Real (RJ) para uso em modelos Citroën, não será surpresa se ela acabar indo parar também em Betim (MG)...

Projeção: Motor1.com


Source: Automotive News Europe