Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.790,10
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    37.877,46
    +1.741,53 (+4,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Fiat aposenta quatro carros de uma só vez no Brasil; veja quais foram

·2 min de leitura

A fase L7 do Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) começa a fazer vítimas no mercado automotivo brasileiro e as montadoras precisam se adaptar rapidamente. No caso da Fiat, as novas normas de emissões e ruídos fizeram com que a marca italiana tirasse, de uma só vez, quatro carros de seu catálogo no Brasil: Grand Siena, Doblò, Argo 1.8 e Cronos 1.8.

Esses modelos, apesar de bem diferentes, são equipados com motores antiquados e, nos casos específicos de Siena e Doblò, faltam equipamentos de segurança que serão obrigatórios, como os controles de estabilidade e tração. Junte a isso o custo-benefício e temos a fórmula que ajudou nessa aposentadoria forçada — mas também planejada.

O Fiat Grand Siena é um dos automóveis mais utilizados por motoristas de aplicativo e taxis, já que traz relativo conforto e bom nível de consumo. Entretanto, os motores 1.0 e 1.4 Fire já estão defasados em tecnologia, além de serem mais poluentes do que o atual 1.0 Firefly de três cilindros.

Argo 1.8 HGT tem ótimo desempenho, mas peca no consumo (Imagem: Matheus Argentoni/Canaltech)
Argo 1.8 HGT tem ótimo desempenho, mas peca no consumo (Imagem: Matheus Argentoni/Canaltech)

Já o Fiat Doblò é uma miniperua das mais antiquadas do mercado e não dispõe de muitas vantagens além do seu vasto espaço interno. Seu custo de produção, o baixo número de vendas e o uso do motor 1.8 eTorq foram os motivos pelos quais ele será descontinuado.

Argo e Cronos 1.8 também "rodaram"

Lançados em 2016 e 2018, respectivamente, Argo e Cronos são projetos mais modernos, porém também contam com baixas em suas linhas. As variantes topo de gama com motor 1.8 eTorq, já avaliadas aqui no Canaltech, serão substituídas, a princípio, por modelos com o motor 1.3 Firefly de 107cv, o mesmo que equipa o Fiat Pulse e que já está atualizado para as novas normas do Proconve L7.

Além disso, esses automóveis devem receber outra novidade na linha Fiat: o câmbio automático do tipo CVT, que estreou no SUV compacto e que já foi instalado na nova Fiat Strada Ranch. Essa transmissão é a ideal para esse tipo de motorização, pois extrai o melhor de desempenho com consumo honesto.

A Fiat não confirma, mas versões 1.0 Turbo GSE de Argo e Cronos só devem aparecer em uma nova geração dos carros, que podem, no futuro, serem melhorados para atingirem status de compactos premium, competindo com modelos como Volkswagen Polo e Virtus, além de Nissan Versa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos