Mercado fechará em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    108.263,65
    -3.175,72 (-2,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.637,82
    -669,89 (-1,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,68
    -1,29 (-1,79%)
     
  • OURO

    1.764,00
    +12,60 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    44.024,79
    -3.358,90 (-7,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,03
    -32,35 (-2,85%)
     
  • S&P500

    4.333,74
    -99,25 (-2,24%)
     
  • DOW JONES

    33.811,80
    -773,08 (-2,24%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.928,75
    -397,25 (-2,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2727
    +0,0733 (+1,18%)
     

Fiasco dos EUA no revezamento enfurece Carl Lewis e abre crise no atletismo

·4 minuto de leitura

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Entre os corredores de velocidade da equipe americana, Fred Kerley era um dos poucos que poderia sair das Olimpíadas de Tóquio com crédito. Era. Isso durou até a noite desta quarta-feira (4).

O medalhista de prata nos 100 m perdeu o rebolado quando o questionaram se poderia imaginar que os Estados Unidos sequer se classificariam para a final do revezamento 4x100 m.

"Não", se limitou a dizer.

Em seguida foi questionado se sabia o que tinha errado.

"Não."

Ele não tinha muito a falar, mas em Houston, alguém tinha. Carl Lewis, dono de nove medalhas de ouro olímpicas, foi ao Twitter e provocou uma crise entre os atletas do país que estão no Japão.

"A equipe dos EUA fez tudo errado no revezamento. O sistema de passagem está errado, atletas correndo nos lugares errados, e estava claro não haver liderança. Foi uma vergonha total e é completamente inaceitável para um time dos Estados Unidos parecer pior do que os garotos amadores que vejo", escreveu.

Para não deixar dúvidas, ele colocou o tuíte como fixado. Era o primeiro lido por quem acessava seu perfil. Em entrevista ao jornal USA Today pouco depois, ele chamou o desempenho americano de "palhaçada".

"Não dá para aceitar isso. O revezamento não é uma prova difícil", completou.

Em Tóquio, os Estados Unidos terminaram em 6º. Classificavam-se os três primeiros. Ficaram à frente apenas dos times da Dinamarca e da Turquia. E os turcos foram desqualificados.

Os dirigentes da federação americana que passaram próximos aos jornalistas se recusaram a falar mesmo na sessão noturna, horas após a eliminação (ocorrida no período da manhã pelo fuso japonês).

"Nós temos que compensar isso no Mundial do próximo ano e em Paris-2024. O que aconteceu hoje aqui foi inaceitável", admitiu Cravon Gillepsie, outro corredor da equipe.

A eliminação no Estádio Olímpico de Tóquio foi apenas a gota que fez o copo transbordar. O último bom resultado do revezamento americano olímpico nos 4x100 m foi em Atenas-2004. Ficou com a medalha de prata. O último ouro aconteceu em Sydney-2000.

Desde então, os Estados Unidos deixaram cair o bastão nas eliminatórias em Pequim-2008. Ficaram em segundo em Londres-2012, mas o doping de Tyson Gay provocou a desqualificação. Também foram desclassificados na final da Rio-2016 por passarem o bastão fora da área permitida.

"Eu não sei explicar. É muito frustrante vir até Tóquio e não se qualificar. Não é para isso que estamos aqui", completou Gillepsie.

"Sem desculpas. Nós falhamos", concluiu Kerley, arrancando risos dos jornalistas, que já tinham constatado o óbvio.

O revezamento 4x100 m é apenas o último e mais claro exemplo dos problemas que os os Estados Unidos têm vivido nas chamadas provas de velocidade no atletismo: dos 100 aos 400 metros. Entre 2008 e 2016, havia Usain Bolt para impedir qualquer outro de ganhar o ouro nos 100 e 200 m. Sem ele e com o trono vago, a equipe americana tinha os candidatos mais fortes.

Trayvon Bromell chegou ao Japão com o melhor tempo do ano (9s77). Até Bolt o considerou maior candidato ao primeiro lugar. Ele nem sequer foi à final, e o italiano Lamar Marcell Jacobs subiu no lugar mais alto do pódio. Os Estados Unidos não são ouro na prova desde a vitória de Gay em 2004.

Os 200 m, sem o jamaicano, também estavam à espera de um novo campeão. Andre De Grasse, do Canadá, aproveitou.

Grant Holloway era uma das maiores barbadas do atletismo olímpico neste ano. Era aposta certa para o ouro nos 110 m com barreiras. Foi superado pelo jamaicano Hansle Parchment nesta quinta (5). Horas mais tarde, o país não ganhou medalha em prova dos 400 m vencida por Steven Gardiner, de Bahamas.

O chamado Team USA não foi ouro nos 4x400 m misto (ficou com o bronze), viu três jamaicanas subirem ao pódio nos 100 m feminino (a melhor atleta do time, Kendra Harrison, terminou em 7º), teve de se contentar com a prata nos 100 m com barreiras para mulheres e nos 400 m com barreiras para homens.

Também não houve vitória nos 200 m feminino. Gabrielle Thomas cruzou a linha de chegada em terceiro.

A exceção foi Sydney McLaughlin, primeira colocada nos 400 m com barreiras feminino. Ainda há esperanças em três revezamentos: 4x400 m e 4x100 femininos e no 4x400 m masculino.

Na Rio-2016, os Estados Unidos faturaram seis ouros em provas de velocidade.

"Eles estão brincando com a vida das pessoas. Você fica desencantado de ver isso", desabafou Carl Lewis.

Pelo horário dos EUA, a eliminação americana no revezamento aconteceu em 4 de agosto, aniversário de 37 anos da vitória de Lewis nos 100 m nas Olimpíadas de Los Angeles-1984. Jogos em que ele conquistou quatro medalhas de ouro. Uma delas, no 4x100 m.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos