Mercado abrirá em 2 h 13 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,87
    +0,32 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.790,30
    +30,40 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    17.104,34
    +233,55 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,98
    +4,28 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.587,38
    +14,33 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.004,75
    -37,50 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

FGV Ibre revisa PIB deste ano para cima e reduz o de 2023

O FGV Ibre revisou para cima suas projeções de crescimento para este ano de 0,9% para 1,7%. Segundo o texto assinado por Silvia Matos, Marina Garrido e Mayara Santiago no Boletim Macro da fundação, o motivo para a mudança é o contexto de injeção de liquidez na economia promovida pelo governo.

No entanto, como a revisão se deu a partir de medidas que tem caráter temporário, a projeção para 2023 é baixista. "Revisamos o PIB do ano que vem de 0,4%, para uma queda de 0,3%".

Para as economistas, a indústria ainda continua sofrendo com o atraso na normalização das cadeias de suprimentos. Já pelo lado da demanda, com a alta dos juros e as incertezas eleitorais, o investimento deve contrair no ano, junto com uma forte retomada de serviços em detrimento a bens.

"Com a demanda doméstica estagnada, a demanda externa ganhou protagonismo no início do ano e deve contribuir positivamente para o PIB este ano"