Mercado fechado

FGV: Confiança empresarial sobe 3,0 pontos em setembro e retoma nível pré-covid

Valor
·1 minuto de leitura

Índice chegou a 97,5 pontos, ou 1,5 ponto acima do registrado em fevereiro O Índice de Confiança Empresarial (ICE) do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 3,0 pontos em setembro, para 97,5, ficando 1,5 ponto acima do nível de fevereiro deste ano, último mês antes de a economia ser fortemente abalada pela crise de saúde. O Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) subiu 4,4 pontos, para 93,0, nível também superior ao de fevereiro (92,5). O Índice de Expectativas (IE-E) subiu 4,9 pontos, para 101,0, recuperando 97% das perdas de março-abril e atingindo a zona de neutralidade, em torno de 100 pontos. Pelo lado das expectativas, os empresários manifestam certa neutralidade (nem otimismo nem pessimismo) em relação à evolução dos negócios nos próximos três a seis meses, exceto pelo setor industrial, que está otimista neste horizonte de tempo. Os componentes de Demanda (3 meses) e Tendência dos Negócios (6 meses) fecharam setembro em torno dos 100 pontos, e o de Emprego Previsto (três meses), em 94 pontos. Apenas a confiança da Indústria subiu mais fortemente em setembro, passando a ser o primeiro setor a recuperar as perdas de março e abril. Comércio e Construção caminham logo atrás, no sentido na neutralidade. O Setor de Serviços registra uma recuperação mais lenta, principalmente em função da percepção desfavorável das empresas com relação à situação atual, cujo índice representativo (ISA-S) ficou praticamente estável no mês e abaixo dos 80 pontos. Rovena Rosa/Agência Brasil O Índice de Confiança Empresarial (ICE) consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pelo Ibre-FGV: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.