Mercado abrirá em 9 h 27 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,44
    +0,39 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.686,40
    +8,40 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    53.811,70
    +2.935,24 (+5,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.087,94
    +63,73 (+6,22%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    29.031,53
    +490,70 (+1,72%)
     
  • NIKKEI

    28.800,81
    +57,56 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.441,25
    +144,00 (+1,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9598
    0,0000 (0,00%)
     

Festival de Glastonbury é cancelado pelo segundo ano devido à pandemia

·1 minuto de leitura
Show da cantora australiana Kylie no festival de Glastonbury em Somerset, sudoeste da Inglaterra, em junho de 2019

O festival de música de Glastonbury, que todo verão recebe mais de 200.000 espectadores em seus prados transformados em cenários ao ar livre, foi cancelado pelo segundo ano consecutivo devido à pandemia, anunciaram seus organizadores nesta quinta-feira (21).

"Apesar dos nossos esforços parar mover céus e terra, ficou claro que simplesmente não poderemos organizar o festival este ano", lamentaram Michael e Emily Eavis em um comunicado divulgado no Twitter. 

Um dos maiores festivais de música do mundo, Glastonbury já havia cancelado em 2020 sua 50ª edição, prevista para junho do ano passado, devido ao coronavírus.

Taylor Swift, Paul McCartney, Kendrick Lamar e Diana Ross estavam programados naquela ocasião para cantar junto com dezenas de outros artistas em um evento que colabora com ONGs como Oxfam, Wateraid e Greenpeace.

Assim como o ano passado, os espectadores que pagaram poderão anticipar para reservar as muito cobiçadas entradas, na possibilidade de guardá-las para a edição de 2022, na qual os organizadores prometeram algo "muito especial". 

País mais castigado da Europa pela pandemia, com mais de 93.000 mortes confirmadas por covid-19, o Reino Unido viu sua potente indústria musical colapsar devido aos confinamentos sucessivos e à proibição de organizar grandes eventos.

O setor, que em 2019 contribuiu para a economia britânica com 5,8 bilhões de libras (7,7 bilhões de dólares, 6,5 bilhões de euros), viu a temporada 2020 "varrida" pelo vírus, segundo um relatório da associação setorial UK Music publicado no início do mês.

E enfrenta "uma ameaça real de que grande parte da temporada 2021" tenha o mesmo destino, acrescentou. 

acc/mb/aa