Mercado fechará em 3 h 50 min
  • BOVESPA

    111.242,49
    -2.340,52 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.291,42
    -307,11 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,69
    -0,76 (-1,01%)
     
  • OURO

    1.736,90
    -15,10 (-0,86%)
     
  • BTC-USD

    41.531,74
    -1.816,03 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.023,23
    -33,92 (-3,21%)
     
  • S&P500

    4.359,45
    -83,66 (-1,88%)
     
  • DOW JONES

    34.354,32
    -515,05 (-1,48%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.802,75
    -392,00 (-2,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3382
    +0,0314 (+0,50%)
     

Ferrari pode impedir sonho da União Europeia

·2 minuto de leitura
  • Ferrari e Lamborghini estão na mira da União Europeia

  • Empresa italiana está atrasada em adotar novos motores para os modelos

  • Regra da União Europeia entra em vigor em 2035

Os italianos são um dos maiores fabricantes de carros esportivos do mundo. Porém, a ideia da União Europeia de banir carros com combustíveis fosseis nos próximos anos pode mudar um dos maiores expoentes da Itália. Lamborghini e Ferrari estão buscando alternativas para entrar na exceção da lei do continente.

O governo de Mario Draghi tem conversado com a União Europeia para proteger as marcas de carros esportivos contra a regra que entrará em efeito em 2035. Apesar do país apoiar o corte de emissão de carbono, a preocupação com as clássicas marcas de carro é uma discussão que está na pauta.

A UE ainda está nos estágios iniciais de análise do plano, uma vez que as regras propostas serão agora discutidas pelos Estados membros e pelo Parlamento. O processo deve levar até dois anos com alguns países propondo emendas para proteger suas empresas e setores. A França já deu sinais de resistência ao novo plano, defendendo metas mais brandas. Paris apoia a meta de reduzir as emissões dos carros em 55% até 2030 e para que os híbridos permaneçam no mercado por mais tempo, disse um funcionário do gabinete do presidente Emmanuel Macron em julho.

Em entrevista para canais europeus, o presidente da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis, Oliver Zipse, disse que apoia o esforço italiano, dada a “situação especial” que os fabricantes de supercarros enfrentam. “Para fabricantes muito pequenos, que no panorama geral das emissões quase não desempenham nenhum papel, há bons argumentos para considerar essas isenções”, completou.

A Ferrari vendeu cerca de 9.100 veículos em 2020, enquanto as vendas da Lamborghini totalizaram cerca de 7.400. Ainda assim, a ajuda de Bruxelas pode ser crucial para a Ferrari. A empresa ainda não oferece um veículo totalmente elétrico e tem demorado a abraçar a eletrificação.

A Ferrari lançará seu primeiro veículo totalmente movido a baterias em 2025, disse o presidente John Elkann no início deste ano. Em contraste, o Taycan totalmente elétrico da Porsche Automobil Holding SE está na estrada desde 2019. A Ferrari planeja compartilhar mais detalhes sobre seus planos durante um dia de mercado de capitais no próximo ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos