Mercado fechará em 4 h 19 min

Fernando Rocha exalta simplicidade de Tom Veiga: "Trabalhava de chinelo e bermuda"

Bárbara Saryne
·2 minuto de leitura
O jornalista relembrou momentos com Tom Veiga (Foto: Reprodução/Globo)
O jornalista relembrou momentos com Tom Veiga (Foto: Reprodução/Globo)

Fernando Rocha está de luto pela morte de Tom Veiga, intérprete de Louro José. O apresentador, que passou anos à frente do ‘Bem-Estar’, conversou com o Yahoo! sobre a perda e relembrou alguns momentos ao lado do artista nos bastidores da Globo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

“O Tom era tão feliz, espontâneo, não perdia a chance de elogiar as pessoas, falava o que gostava. Muito alto astral, solar, iluminado e simples. Trabalhava de bermuda e chinelo de dedo. Era inacreditável o talento dele naquele espaço minúsculo”, lembra o jornalista em conversa por telefone.

Leia também:

Segundo Fernando, Tom Veiga tinha muitos pontos em comum com ele. O intérprete do Louro vivia dizendo que precisava lutar contra a balança, tentava parar de fumar e adorava piadinhas do nível “o encontro entre a clara e a gema”. “Lembro de uma vez que falamos sobre a batata inglesa. Como ela é chamada na Inglaterra? Ora, lá é só batata”, recorda Rocha, aos risos.

A morte de Tom deixou Fernando triste duplamente. O jornalista diz que separava muito bem o personagem do criador, mas conseguia enxergar algumas características de Veiga no comportamento ousado de Louro. “Aquele jeito paquerador, galanteador, que mexia com as artistas, tinha um pouco do Tom. Ele teve muitas namoradas. Tinha uma alma carioca”, afirma.

Durante suas participações no ‘Mais Você’, Fernando diz que o mais chamava atenção era o comando que Tom Veiga tinha em suas mãos. “Ele ficava com um monitor, usava ponto eletrônico. A Ana seguia as instruções dele. Era o Louro que marcava o programa, sabia das vinhetas, horário de intervalo. Ele se comunicava com Ana de um jeito inexplicável, trocavam olhares sem a câmera pegar”, elogia o jornalista.