Mercado abrirá em 1 h 28 min

Fernando Holiday se exalta em discussão sobre cotas na Câmara e pede expulsão de advogado

Alma Preta
·2 minuto de leitura
Caso aconteceu após o vereador do Patriota, autor de projeto de lei que propõe fim de cotas em concursos públicos, ser xingado por Ewerton Carvalho, advogado defensor da ação afirmativa. Foto: Afonso Braga
Caso aconteceu após o vereador do Patriota, autor de projeto de lei que propõe fim de cotas em concursos públicos, ser xingado por Ewerton Carvalho, advogado defensor da ação afirmativa. Foto: Afonso Braga

Texto: Victor Lacerda Edição: Nataly Simões

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o vereador de São Paulo, Fernando Holiday (Patriota), se exaltar com o advogado e rapper Ewerton Carvalho, após ser xingado por ele no fim de uma discussão sobre cotas raciais.

A sessão pública na Câmara Municipal foi pautada por um projeto de lei apresentado por Holiday e que propõe o fim das cotas nos concursos públicos municipais. Para Holiday, as cotas visam dar maior visibilidade aos negros em processo de seleção, mas na prática se tratam de uma política racista.

Em seu discurso, o vereador certifica a existência do racismo na sociedade e diz acreditar em um sistema de meritocracia, que ocorre quando as pessoas são avaliadas à medida que se “esforçam” e demonstram bom caráter para ocupar tal posição.

Uma das pessoas convocadas para discutir a possível anulação foi Carvalho, que também é ativista e candidato a vereador pelo Podemos.Em sua fala, ele rebateu os argumentos de Holiday contrário às cotas e abordou o conceito de equidade, se colocando como fruto da importância do sistema de cotas, que abriu portas para ele se graduar em Direito.

“Navio negreiro veio carregando sangue negro. A alforria veio carregando muito desemprego. Preto não precisa de cota? Pera! Algo errado! Como nós vai ser igual, se nós está séculos atrasados? Cota pra preto sempre existiu, com toda a franqueza, na taxa de mortalidade e no índice de pobreza. Negar que existe racismo é hipocrisia”, descreveu o advogado, no fim de seu discurso.

Ao término da fala de Carvalho, o microfone dele foi cortado e ao descer do púlpito, ele xingou Holiday de “seu bosta”. A fala foi o motim para o autor do projeto de lei não se conter e pedir que ele fosse expulso da audiência.

“O que foi que você disse? Peço que a GCM retire ele do plenário. Isso aqui não é a casa da mãe joana! Isso aqui é a Câmara Municipal! Respeite este parlamento! Eu fui eleito e você não! Eu represento os paulistanos! Vagabundo não vai se criar no plenário! Fora daqui! Respeite esta casa! Não vai falar palavrão aqui dentro! Preto de verdade você não representa. Eu represento preto de verdade! Preto que tem educação! Respeite este lugar”, exaltou o vereador.

A reação do vereador, que tenta se reeleger, foi respondida por populares que estavam na sessão e o chamaram de “autoritário”, “moralista” e “anti-democrático”. O ocorrido repercutiu nas redes sociais, com uma discussão sobre ser contra ou a favor do sistema de cotas. O projeto de autoria de Holiday segue em tramitação na Câmara Municipal.