Mercado abrirá em 2 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,15
    -0,21 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.782,70
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    49.194,71
    -1.061,45 (-2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.286,60
    -18,52 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.336,16
    -0,89 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.254,86
    +257,99 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.362,00
    -30,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2698
    -0,0043 (-0,07%)
     

Fernanda Lobão fala sobre abertura da Gameland à comunidade e democratização do universo gamer

·1 min de leitura

A Gameland, que nasceu no Rio de Janeiro, como uma mansão exclusiva para o time de gamers da Final Level, acabou de se instalar em São Paulo. Fernanda Lobão, CEO da plataforma de entretenimento, explica que a mudança de endereço da content house acontece junto com a abertura do espaço para que outras pessoas possam criar conteúdo. “A casa temática é aspiracional para o universo gamer e está à serviço da comunidade, diz Fernanda.

“Lançada em agosto de 2018, a Final Leve hoje tem mais de 5 milhões de inscritos no YouTube, mais de 2 milhões no TikTok e outros quase 2 milhões no Instagram. Além dos perfis próprios, a plataforma também faz a gestão de campanhas junto às marcas em parceria com os criadores de conteúdo do seu time de gamers. 

Leia também:

“A gente tem públicos complementares e ao mesmo tempo distintos por rede social”, diz Fernanda. “A paixão pelos games vai muito além do jogo”, afirma a executiva sobre a curadoria de conteúdo sobre o lifestyle gamer.

Com 84% milhões de usuários de games, o Brasil é hoje o 4º maior mercado de jogos. Se no passado o alto custo dos consoles (os equipamentos para rodar os games) e até mesmo dos jogos fazia esse mercado ser mais elitizado, hoje os tablets e smartphones o tornaram mais acessível. “A grande alavanca dessa indústria é o mobile game”, comemora Fernanda.

A executiva que está à frente da Final Level não se intimida pela hegemonia masculina e trabalha para tornar o universo gamer mais democrático. “Valorizar a presença feminina está dentro dessa visão de democratização”, diz Fernanda sobre a Copa Rakin, realizada pela BBL em parceria com a Final Level, que, este ano, ganhou uma etapa focada em mulheres, transgêneros e não-binários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos