Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.859,23
    -2.626,99 (-5,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Fenômeno mundial, entregas de comida dispararam em 2020

Katia DOLMADJIAN
·2 minuto de leitura
Entregador de refeições da Wolt em Berlim

As entregas de comida, alimentos e álcool estão em pleno auge em muitos países devido às restrições de circulação e aos fechamentos de restaurantes pela pandemia de covid-19.

Nesta quinta-feira (11), a gigante Uber informou grandes prejuízos líquidos para o ano 2020, mas anunciou que seu ramo de entrega de comidas Uber Eats teve um aumento na renda de 224% no mundo só no quarto trimestre.

"Continuamos confiando na possibilidade de que nosso ramo de entrega chegue a ser lucrativo em 2021", afirmou Dara Khosrowshahi, chefe do grupo californiano cuja atividade histórica de VTC sofreu em cheio o impacto do coronavírus.

No ano passado, a Uber apostou em se expandir nas entregas de comidas, comprando o aplicativo Postmates.

Já o serviço Delivery Hero - com sede em Berlim e que opera em 40 países - informou que quase dobrou suas operações no ano passado, efetuando 1,3 bilhão de entregas.

Grande rival da Uber Eats, a plataforma britânica Deliveroo ainda não informou seu rendimento em 2020, mas recentemente anunciou um aumento de suas vendas e que foi lucrativa por mais de seis meses graças às restrições de circulação, que estimularam o recurso ao seus serviços.

Após o auge do ano passado, "este crescimento das entregas de comida continuará seu impulso em 2021 e também em 2022. Mas não se pode esquecer que se partiu de muito baixo, por isso esses crescimentos tão fortes", disse nesta quinta-feira à AFP María Bertoch, especialista do setor para o NPD Group.

- Hábitos anteriores à crise -

Nem todos os países têm o mesmo apetite por esses aplicativos.

Os campeões são os países anglo-saxões. Na França, apenas 6% dos "pedidos foram realizados em entrega" em 2020, contra 3% em 2019. No Reino Unido, esta proporção foi de 17% no ano passado, contra 9% em 2019, diz María Bertoch.

As taxas de crescimento mostradas pelo Uber Eats "se baseiam principalmente nos países anglo-saxões", afirma Bernard Boutboul, diretor do Gira Conseil, à AFP.

Além das refeições, a entrega de mercado também cresceu em 2020.

Ocado, distribuidora de alimentos online que teve um aumento de 35% de seu volume de negócios, estima que "muitos dos clientes que tentaram comprar online pela primeira vez viram os benefícios e disseram que podem não voltar aos seus hábitos anteriores à crise".

A Uber também atacou este segmento e na semana passada anunciou a compra do Drizly, líder no fornecimento de álcool sob demanda nos Estados Unidos.

Drizly, que já opera em 1.400 cidades americanas e oferece uma ampla seleção de cervejas, vinhos e licores, se integrará na plataforma Uber Eats, conservando ao mesmo tempo seu aplicativo separadamente.

kd/ico/bow/mab/mb/aa