Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,24
    +0,33 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.866,00
    -13,60 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    39.159,88
    +3.411,80 (+9,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,86
    +38,04 (+4,04%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.053,44
    +104,71 (+0,36%)
     
  • NASDAQ

    14.022,75
    +28,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1890
    -0,0036 (-0,06%)
     

Feminicídio: Câmara aprova projeto que torna crime autônomo e aumenta punição em regime fechado

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — A Câmara dos Deputados deu aval nesta terça-feira para que o feminicídio se torne um tipo específico, isto é, deixe de ser um agravante e se torne um crime autônomo dentro do Código Penal. A penalidade mínima sobe de 12 para 20 anos, com o máximo de 30 anos em regime fechado. Como houve consenso entre as bancadas, a votação foi simbólica. Agora, o texto segue para tramitação no Senado.

— Entendemos ser imprescindível o aumento da pena do crime de feminicídio para frear o aumento de casos recentes de violência contra a mulher. Apesar de o feminicídio ser crime hediondo com pena de 12 a 30 anos de reclusão, tais penas não intimidam os criminosos, que insistem na violência, não temendo a aplicação da lei penal — argumentou a relatora do projeto, Policial Katia Sastre (PL-SP).

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pùblica, 648 mulheres tiveram as vidas ceifadas diante do feminicídio no primeiro semestre de 2020 — um aumento de 1,9% em relação ao mesmo período do ano anterior. Desse total, 89,9% foram assassinadas por companheiro ou ex-parceiro.

Lares, que deveriam oferecer abrigo e segurança, se tornaram palco de agressões e até mortes. Nessa perspectiva, os números podem esconder a subnotificação em face do isolamento social, que dificultou que as vítimas pudessem comunicar o crime em delegacias.

— É um momento em que fica muito claro que precisamos de penas mais duras, de penas realmente que venham levar à reflexão aqueles que ainda não entenderam que a mulher tem o direito de tomar as suas decisões, de fazer as suas escolhas. É preciso esclarecer que os ciúmes ou qualquer outro tipo de sentimento não são motivo para tirar a vida de alguém ou cometer qualquer ato de violência — afirmou a autora do texto, Rose Modesto (PSDB-MS).