Mercado abrirá em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,01
    +0,63 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.764,90
    -5,70 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    55.114,96
    -1.874,47 (-3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.242,17
    -56,79 (-4,37%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.948,51
    -51,57 (-0,74%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.869,25
    -28,00 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6937
    +0,0180 (+0,27%)
     

Felipe Neto cria frente de advogados para defender pessoas processadas por criticarem Bolsonaro

Anita Efraim
·3 minuto de leitura
O youtuber Felipe Neto, intimado pelo delegado Pablo Dacosta Sartori | Foto: Reprodução / Instagram
O youtuber Felipe Neto, intimado pelo delegado Pablo Dacosta Sartori (Foto: Reprodução / Instagram)
  • Felipe Neto criou frente de advogados para atender gratuitamente pessoas processadas por criticarem o governo

  • Iniciativa surgiu após youtuber ser intimado a depor por chamar Bolsonaro de "genocida"

  • Participam da frente os advogados André Perecmanis, Augusto de Arruda Botelho, Davi Tangerino e Beto Vasconcelos

O youtuber Felipe Neto criou uma iniciativa para defender gratuitamente pessoas que forem processadas por criticarem o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O projeto nasceu após o próprio produtor de conteúdo ser intimado a depor por chamar o presidente de "genocida". A denúncia foi feita pelo filho de Bolsonaro, o vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Segundo a intimação, Felipe Neto estaria enquadrado na Lei de Segurança Nacional.

Leia também:

A frente de advogados chamada “Cala-Boca Já Morreu” será formada por três escritórios, dos advogados André Perecmanis, Augusto de Arruda Botelho e Davi Tangerino. Beto Vasconcelos também faz parte da equipe. A ideia é contemplas ações criminais, cíveis e administrativas.

Qualquer pessoa que não tenha advogado poderá usufruir do serviço.

“A liberdade de expressão no Brasil está sob ataque de violentos inimigos da democracia. Querem intimidar e silenciar a todos aqueles que criticam autoridades públicas, eleitas pelo povo, e que exercem o poder que têm em nome desse mesmo povo. E para isso, se armam da Lei de Segurança Nacional, herança do passado mais terrível e assombroso do país: a ditadura militar”, disse Augusto de Arruda Botelho.

“O Cala-Boca Já Morreu será um grupo da sociedade civil que vai lutar contra o autoritarismo e que será movido pelo princípio de que quando um cidadão é calado no exercício do seu legítimo direito de expressão, a voz da democracia se enfraquece. Não podemos nos calar. Não podemos deixar que nos calem e não vamos”, finaliza Felipe Neto, idealizador do projeto.

Apoio do PT

Após Felipe Neto divulgar um vídeo relatando o ocorrido, ele recebeu a solidariedade do ex-presidente Lula (PT). O ex-candidato à presidência, Fernando Haddad, também criticou a intimação de Felipe Neto.

Outros casos

Felipe Neto não foi a única pessoa a enfrentar problemas na Justiça por criticar o presidente Jair Bolsonaro. Um sociólogo, no Tocantins, pode ser investigado pela Polícia Federal por fazer outdoors criticando o presidente.

Pequi roído

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, acionou a Polícia Federal para que se abra uma investigação por duas placas de outdoor com críticas ao presidente Jair Bolsonaro em Palmas, no Tocantins.

Em uma das placas é possível ler a frase "Cabra à toa, não vale um pequi roído. Palmas quer impeachment já!". Pequi é um fruto nativo do cerrado brasileiro, muito utilizado na culinária sertaneja. A outra placa dizia: "Aí mente! Vaza Bolsonaro, o Tocantins quer paz".

Herói Nacional 

A Polícia Militar de Minas Gerais rastreou e prendeu um jovem de 24 anos por publicações em uma rede social em que comentava sobre a visita do presidente Jair Bolsonaro a Uberlândia. O caso aconteceu no início do mês de março. 

Um dia antes da visita, João Reginaldo Silva Júnior escreveu em seu perfil no Twitter, com cerca de 150 seguidores: "Gente, Bolsonaro em Udia [Uberlândia] amanhã...Alguém fecha virar herói nacional?". Ele foi solto horas depois.