Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.745,50
    -4,30 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    44.877,95
    +1.264,83 (+2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.311,00
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2262
    +0,0012 (+0,02%)
     

Feira ArtRio terá NFTs na edição deste ano

·1 minuto de leitura
Feira acontece presencialmente e online. Foto: Reprodução/Internet.
Feira acontece presencialmente e online. Foto: Reprodução/Internet.
  • Artes digitais vão ser expostas em monitores no evento

  • Feira acontece presencialmente e online

  • Artistas brasileiros e estrangeiros vão ter suas criptoartes exibidas na feira

De 8 a 12 de setembro, a 11ª edição da feira ArtRio vai contar com um estande dedicado aos NFTs. O espaço pertence à Metaverse Agency, uma galeria focada na arte digital.

As obras de pioneiros da criptoarte brasileira como Vamoss, Monica Rizzolli e Rejane Cantoni vão ser expostas em monitores no evento.

Mesmo acontecendo presencialmente na Marina da Glória, a ArtRio também vai poder ser visitada virtualmente em seu site.

Além dos artistas nacionais, também estarão presentes criadores de outros países. Entre eles, está o alemão Mario Klingemann, que desenvolveu trabalhos incluindo o uso de redes neurais, código e algoritmos. Outro participante do evento é o espanhol Javier Arréz, criptoartista ganhador da Bienal de Arte de Londres.

Primeira galeria dedicada à arte digital no Brasil, a Metaverse Agency tem suas obras registradas como NFTs (sigla em inglês para “token não-fungível”). O formato tem chamado atenção nos últimos meses no mundo do merchandising digital. Os souvenirs são produzidos usando uma tecnologia que emprega blockchain para atestar a autenticidade e originalidade de alguma obra, seja ela uma arte digital, um tuíte ou ainda um meme. Recentemente, até mesmo obras de van Gogh e da Vinci tiveram cópias em NFT vendidas em leilões. O mercado de colecionáveis digitais representou mais de US $2,5 bilhões em volume de transações no início de 2021. No mês passado, um menino londrino de 12 anos faturou mais de R$ 800 mil com a venda de uma coleção de “baleias estranhas” que ele criou em NFT.

As informações são do Exame.com.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos