Mercado fechará em 3 h 29 min
  • BOVESPA

    107.932,47
    +1.460,55 (+1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.232,31
    +508,88 (+1,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,55
    +1,54 (+1,73%)
     
  • OURO

    1.804,50
    +13,30 (+0,74%)
     
  • BTC-USD

    23.903,44
    +803,63 (+3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,56
    +13,69 (+2,52%)
     
  • S&P500

    4.137,72
    -7,47 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    32.800,83
    -2,64 (-0,01%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,17 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.249,24
    +73,37 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    13.191,00
    -37,75 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2296
    -0,0370 (-0,70%)
     

Fed vai apertar a política monetária, a única questão é a que velocidade

·2 min de leitura
Foto de arquivo do prédio do Federal Reserve, em Washington

Por Howard Schneider e Ann Saphir

WASHINGTON/SAN FRANCISCO (Reuters) - Alarmados com a persistência de um aumento desconfortavelmente acelerado dos preços, até mesmo as autoridades do banco central norte-americano mais flexíveis com a inflação agora concordam que precisarão apertar a política monetária neste ano. O debate não é mais sobre se, mas com que rapidez isso vai acontecer.

O presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, disse nesta quinta-feira que o banco central poderia aumentar as taxas de juros já em março e que agora a instituição está em uma "boa posição" para tomar medidas ainda mais agressivas contra a inflação, conforme necessário.

A presidente do Fed de San Francisco, Mary Daly --que há muito tempo faz um contraponto "dovish" (flexível com a inflação) à abordagem de Bullard mais incisiva com a elevação dos preços--, disse em evento separado também esperar acréscimos nos juros neste ano, mesmo após avisar que um aperto monetário excessivamente agressivo poderia prejudicar o mercado de trabalho.

Mais cedo nesta semana, o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, disse agora esperar dois aumentos na taxa básica de juros neste ano, uma reversão de sua visão de longa data de que o banco central deveria adiar a subida dos custos dos empréstimos até 2024.

Os formuladores de política monetária do Fed agora se dividem efetivamente em dois grupos: "aqueles que querem apertar a política monetária e aqueles que querem apertá-la ainda mais rapidamente", escreveu Bill Nelson, ex-economista do banco central norte-americano que agora é economista-chefe do Bank Policy Institute.

Embora a maioria das autoridades do Fed permaneça no primeiro grupo, afirmou ele, "tal distribuição resultaria em riscos de alta, e não de baixa, para a política monetária (exceto grandes surpresas econômicas, é claro)".

É uma grande mudança em relação a apenas alguns meses atrás, quando os formuladores de política monetária do Fed podiam ser divididos em três: aqueles que apoiavam um aperto monetário mais rápido, aqueles que adotavam uma abordagem mais lenta para o aperto e um contingente contra aumentos das taxas de juros por um ano, se não mais.

No mês passado, os banqueiros centrais dos EUA concordaram em encerrar suas compras de ativos em março e estabeleceram as bases para o que a maioria deles vê como pelo menos três aumentos nas taxas de juros neste ano.

A ata da reunião de dezembro, divulgada na quarta-feira, mostrou que alguns formuladores de política monetária do Fed querem agir ainda mais rapidamente para endurecer a política monetária, inclusive reduzindo o balanço patrimonial do Fed, de mais de 8 trilhões de dólares.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos