Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,09
    +1,69 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.815,00
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    30.493,47
    +345,03 (+1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    686,30
    +443,62 (+182,80%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    27.030,41
    +370,66 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.546,75
    -13,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2176
    +0,0072 (+0,14%)
     

Fed sobe juros em 0,5 pp e cortará ativos para conter inflação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O Federal Reserve fez seu maior aumento de juros desde 2000 e decidiu começar a encolher seu enorme balanço patrimonial na campanha de aperto monetário mais agressiva em décadas para controlar a inflação.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) do banco central americano votou por unanimidade na quarta-feira para aumentar a taxa de referência em 0,50 ponto percentual. O Fed começará a permitir que suas participações em títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas vençam sem recompra em junho a um ritmo mensal inicial de US$ 47,5 bilhões, aumentando para US$ 95 bilhões em três meses.

“O comitê está altamente atento aos riscos de inflação”, disse o Fed no comunicado, acrescentando uma referência aos lockdowns de Covid na China que “provavelmente exacerbarão as interrupções na cadeia de suprimentos”. Isso se soma à invasão da Ucrânia pela Rússia e eventos relacionados, que estão “criando uma pressão ascendente adicional sobre a inflação e provavelmente pesarão sobre a atividade econômica”.

O aumento para uma faixa de 0,75% a 1%, segue uma alta de 0,25 ponto percentual em março que encerrou dois anos de taxas próximas de zero para ajudar a amortecer a economia dos EUA contra o golpe inicial da pandemia.

Os formuladores de política monetária, que sinalizaram amplamente sua intenção de acelerar o ritmo dos aumentos das taxas, tentam conter a inflação mais alta desde o início dos anos 80, quando o então presidente Paul Volcker aumentou drasticamente as taxas e esmagou a economia no processo.

Eles esperam que, desta vez, a combinação de custos de empréstimos mais altos e um balanço patrimonial cada vez menor proporcione um pouso suave que evite a recessão enquanto reduz a inflação.

O índice de preços das despesas de consumo pessoal, indicador preferido do Fed, subiu 6,6% no ano até março, mais que o triplo da meta do banco central - e um número crescente de críticos dizem que o banco central esperou muito tempo para combater a inflação sem causar uma recessão.

O próprio presidente do Fed Jerome Powell disse ao Congresso no início de março: “A retrospectiva diz que deveríamos ter agido antes”.

Investidores estão cada vez mais apostando que o FOMC optará por um aumento ainda maior, de 0,75 ponto percentual, quando se reunir em junho - o que seria a maior alta desde 1994. Várias autoridades expressaram nas últimas semanas o desejo de levar a taxa básica para cerca de 2,5% “rapidamente” até o final do ano, um nível que eles consideram aproximadamente “neutro” para a economia dos EUA.

A declaração repetiu linguagem anterior que dizia: “com a firmeza adequada na postura da política monetária, o comitê espera que a inflação retorne ao seu objetivo de 2% e o mercado de trabalho permaneça forte”.

Autoridades decidiram começar a encolher balanço patrimonial do Fed de US$ 8,9 trilhões a partir de 1º de junho, a um ritmo mensal de US$ 30 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 17,5 bilhões em títulos lastreados em hipotecas, aumentando esse ritmo em três meses para US$ 60 bilhões e US$ 35 bilhões, respectivamente.

O balanço patrimonial aumentou de tamanho quando o Fed comprou títulos agressivamente para acalmar o pânico nos mercados financeiros e manter os custos dos empréstimos baixos à medida que a pandemia se espalhava.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos