Mercado abrirá em 39 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,71
    +0,96 (+1,61%)
     
  • OURO

    1.721,90
    -11,70 (-0,67%)
     
  • BTC-USD

    51.489,28
    +2.607,62 (+5,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.028,31
    +40,22 (+4,07%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.668,03
    +54,28 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.129,25
    +74,00 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8722
    +0,0101 (+0,15%)
     

Fed manterá juros baixos até que a inflação supere os 2%

·1 minuto de leitura
O Federal Reserve, banco central americano

O Federal Reserve, banco central dos EUA, manterá seus juros baixos, desde que a inflação não ultrapasse 2% e a economia se aproxime do pleno emprego, informou o presidente da instituição, Jerome Powell, nesta terça-feira (23).

Há um "longo caminho" antes de ver um progresso significativo no mercado de trabalho, explicou ele aos senadores, acrescentando que as vacinas contra o novo coronavírus devem "acelerar" a retomada econômica e oferecer "um vislumbre de esperança para retornar as condições mais normais neste ano".

Em meio à pandemia, o Fed baixou suas taxas básicas de juros a níveis mínimos de 0 a 0,25% em março, o que não tem intenção de aumentar no curto prazo.

Também manterá suas compras de ativos "ao menos no nível atual" até que "progresso substancial" seja visto em relação às metas estabelecidas pela instituição, acrescentou Powell.

"A pandemia também deixou uma forte marca sobre a inflação", anunciou o presidente do Fed.

Os temores de uma possível alta de preços para os próximos meses se amplificam nos mercados há semanas, embora não sejam confirmados pelo governo, Fed e FMI.

"Depois de quedas acentuadas na primavera (2020), os preços ao consumidor subiram parcialmente pelo resto do ano", mas "permanecem fracos" em vários setores particularmente afetados pela pandemia, ressaltou Powell.

"Em 12 meses, a inflação continua abaixo da nossa meta de 2%", observou.

A economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, afirmou recentemente que as previsões do FMI apontam para uma inflação de 2,25% nos Estados Unidos, em 2020.

O plano de ajuda de US$ 1,9 trilhão apresentado pelo presidente Joe Biden - que está sendo discutido pelo Congresso - levanta alguns receios sobre um superaquecimento da economia que poderia empurrar os preços para cima devido ao aumento da demanda.

jul/vmt/mr/ll/bn