Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.258,64
    +369,59 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Fed mantém estímulo mesmo reconhecendo recuperação "fortalecida"

Howard Schneider
·2 minuto de leitura
Sede do Fed em Washington, DC

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) manteve os juros e seu programa mensal de compra de títulos inalterados nesta quarta-feira, reconhecendo a força crescente da economia dos EUA, mas sem dar qualquer sinal de que está pronto para começar a reduzir seu suporte à recuperação.

"Em meio ao progresso com as vacinações e ao forte suporte de política monetária, os indicadores de atividade econômica e o emprego se fortaleceram", disse o banco central norte-americano em seu comunicado de política monetária ao final de uma reunião de dois dias. O placar da decisão foi unânime.

No entanto, "a trajetória da economia dependerá de forma significativa do curso do vírus, incluindo avanços nas vacinações", acrescentou o Fed. "A crise de saúde pública em curso continua a pesar sobre a economia, e riscos para as perspectivas econômica permanecem."

A linguagem sobre o vírus reflete uma visão ligeiramente menos negativa do que a descrita pelo Fed em março, quando o BC disse que a crise sanitária "apresenta consideráveis riscos às perspectivas econômicas."

Apesar da melhora da economia, o Fed repetiu nesta quarta-feira a orientação que tem usado desde dezembro, com uma lista de condições que precisam ser cumpridas antes que se considere a retirada do apoio emergencial adotado em 2020 para conter as consequências econômicas da pandemia de coronavírus.

Isso inclui "progresso substancial adicional" na direção de suas metas de inflação e emprego antes de reduzir as compras mensais de títulos.

O chair do Fed, Jerome Powell, participará de coletiva de imprensa às 15h30 (horário de Brasília) para complementar as decisões trazidas pelo comunicado e as opiniões do banco central sobre as perspectivas econômicas otimistas.

O crescimento do emprego nos EUA tem acelerado, e o Fed espera que a inflação suba para sua meta de 2% ao longo do tempo, permitindo que reduza os 120 bilhões de dólares em compras mensais de títulos e eleve sua taxa de juros em relação ao nível atual próximo a zero.

Mas mesmo essa primeira etapa de redução das compras de títulos provavelmente ocorrerá daqui a meses, e o Fed não deu nenhuma indicação no comunicado desta quarta-feira de que há pressa.

A economia norte-americana continua com mais de 8 milhões de empregos a menos do que no período anterior à pandemia, que forçou indústrias a fechar suas portas num esforço para controlar a propagação do coronavírus.

A expansão do programa de vacinação contra a Covid-19 nos EUA contribuiu para as expectativas de rápido crescimento econômico neste ano, embora o Fed tenha reconhecido que as perspectivas para a economia dependem do progresso contínuo no gerenciamento da pandemia.