Mercado abrirá em 6 h 26 min
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,30
    +0,71 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.811,50
    -4,40 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    29.214,79
    -713,91 (-2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,45
    -19,23 (-2,87%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.168,05
    -476,23 (-2,31%)
     
  • NIKKEI

    26.402,84
    -508,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    11.891,25
    -44,25 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2274
    +0,0091 (+0,17%)
     

Fed eleva sua taxa de juros de referência em meio ponto a 0,75%-1%

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) elevou nesta quarta-feira (4) em meio ponto percentual suas taxas de juros de referência, o primeiro aumento desta magnitude desde o ano 2000, para tentar controlar uma inflação recorde, e destacou que novas altas "se justificarão" no futuro.

As taxas ficaram, assim, entre 0,75% e 1%, segundo o comunicado oficial emitido ao fim de uma reunião de dois dias do Comitê de Política Monetária do Fed (FOMC).

Além disso, o organismo começará a reduzir seus ativos em bônus a partir de primeiro de junho e advertiu que a guerra na Ucrânia e os confinamentos na China agravam a inflação.

Segundo o presidente do Fed, Jerome Powell, um aumento das taxas básicas de juros em 0,75 ponto percentual "não é considerado firmemente" por enquanto por parte do banco central americano.

Powell disse, ainda, que há "boas possibilidades" de que o aumento dos juros não leve à economia a uma recessão, nem provoque um aumento do desemprego se "as condições econômicas e financeiras evoluírem de forma coerente" com as expectativas do banco central.

O Fed continua acreditando que a inflação voltará gradativamente à meta de 2% estabelecida pelo organismo à medida que o custo do crédito subir, mas permanecerá "muito atento aos riscos inflacionários".

O FOMC também constatou o "altamente incerto" impacto de fatores externos, incluindo a invasão russa da Ucrânia, que está "criando pressão adicional sobre a inflação e pesará na atividade econômica".

Os confinamentos na China para combater a covid-19 "provavelmente vão aumentar as perturbações nas redes de abastecimento", acrescentou.

A redução de seus ativos significará liberar-se a partir de 1º de junho de 47,5 bilhões de dólares em bônus e títulos por mês para dobrar o número depois de três meses.

O Fed acumulou 9 trilhões de dólares em bônus do Tesouro e outros títulos entre seus ativos, como forma de injetar liquidez no sistema financeiro durante a pandemia.

Dt/vmt/LyS/mr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos