Mercado fechará em 1 h 44 min
  • BOVESPA

    119.402,46
    -161,98 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.877,78
    +477,98 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,77
    -0,86 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.815,50
    +31,20 (+1,75%)
     
  • BTC-USD

    56.919,14
    -509,09 (-0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.482,52
    +11,11 (+0,75%)
     
  • S&P500

    4.174,09
    +6,50 (+0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.362,87
    +132,53 (+0,39%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.502,00
    +11,00 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3743
    -0,0526 (-0,82%)
     

Fed diz que atividade econômica dos EUA acelerou em ritmo moderado

·2 minuto de leitura
O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos. 01/05/2020. REUTERS/Kevin Lamarque.

(Reuters) - A recuperação econômica dos Estados Unidos acelerou em um ritmo moderado do fim de fevereiro ao início de abril, à medida que mais consumidores, impulsionados pelo aumento das vacinações contra a Covid-19 e por forte apoio fiscal, abriram suas carteiras para gastar mais em viagens e outros bens, informou o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) nesta quarta-feira.

"Relatórios sobre turismo foram mais otimistas, impulsionados por uma aceleração na demanda por atividades de lazer e viagens que os contatos atribuíram ao recesso de primavera, a uma flexibilização das restrições relacionadas à pandemia, a aumento das vacinações e a recentes pagamentos de estímulos, entre outros fatores" disse o Fed em seu último "Livro Bege", um compêndio de dados reunidos por cada uma das 12 regionais do Fed sobre as condições econômicas atuais.

O chair do Fed, Jerome Powell, afirmou nesta semana que a economia norte-americana está em um "ponto de inflexão", onde o crescimento e as contratações podem acelerar nos próximos meses, graças ao aumento das vacinações contra a Covid-19 e ao forte estímulo fiscal.

Os Estados Unidos criaram 916 mil empregos em março, o maior número em sete meses, de acordo com dados do Departamento do Trabalho. E os preços ao consumidor dos EUA subiram no ritmo mais rápido em mais de oito anos e meio em março, à medida que vacinações e estímulos impulsionaram a atividade econômica, de acordo com dados do Departamento de Trabalho divulgados na terça-feira.

No entanto, Powell e outras autoridades do Fed dizem que as projeções econômicas mais otimistas e o breve período de inflação mais alta não afetarão a política monetária e que o banco central manterá seu apoio até o fim da crise. A economia norte-americana ainda tem saldo negativo de 8,4 milhões de empregos em relação aos patamares pré-pandemia.

No mês passado, os formuladores de política monetária concordaram em deixar as taxas de juros próximas de zero e em continuar a adquirir, mensalmente, 120 bilhões de dólares em títulos até que houvesse "progresso adicional substancial" em direção às metas do Fed de pleno emprego e inflação.

As autoridades do Fed se reunirão novamente em duas semanas para a próxima reunião de política monetária.

(Por Jonnelle Marte)