Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.844,10
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    29.138,16
    -1.003,54 (-3,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,95
    -22,42 (-3,33%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.830,50
    -47,75 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1550
    -0,0638 (-1,22%)
     

Fed deve ser agressivo e continuar até que inflação seja contida

(Bloomberg) -- Jerome Powell não gosta de corroborar apostas de mercado, mas essa semana ele pode mudar as expectativas de investidores para quão alto o Federal Reserve aumentará os juros para esfriar preços superaquecidos.

O presidente do Fed e seus colegas querem elevar os juros rapidamente para um nível neutro este ano, que não estimula nem restringe o crescimento - cerca de 2,5% - e depois desacelera o ritmo de aperto.

Mas em crises, bancos centrais que pausam normalmente perdem à medida que as forças contra as quais lutam ganham mais impulso, seja espalhando pânico financeiro ou ampliando a inflação.

“Você não pára no meio do caminho” em uma luta contra a inflação, disse Laurence Meyer, um dirigente do Fed que agora comanda a empresa de análise de política monetária LH Meyer. “Há uma urgência de ir além” de uma taxa de juros neutra.

Os dirigentes do banco central americano não querem desencadear uma recessão e Powell expressou confiança na capacidade do Fed de realizar um pouso suave que leve a inflação para sua meta de 2% sem paralisar a economia.

Mas ele também priorizou a estabilidade de preços. “Se determinarmos que precisamos apertar além das medidas comuns de neutralidade e adotar uma postura mais restritiva, faremos isso”, Powell disse 21 de março.

Ele apoiou publicamente um choque de juros antecipado em comentários de 21 de abril que ajudaram a consolidar as expectativas de um aumento de meio ponto percentual quando as autoridades concluírem sua reunião de dois dias na quarta-feira, seguido por pelo menos um outro tão grande em junho.

Atas da reunião de março também sinalizaram que os dirigentes do BC americano provavelmente concordarão em começar a encolher seu balanço de US$ 9 trilhões em maio.

Após já ter fornecido muitas pistas sobre o que esperar, a maioria das novas informações virá através da conferência de imprensa de Powell às 14h30 de Washington – sua primeira presencial desde o início da pandemia.

Powell terá acabado de passar dois dias avaliando o humor de seus colegas. Se ele sair e sinalizar que a política pode exigir uma postura mais restritiva - ou seja, acima de sua configuração neutra - seria uma mudança significativa. O consenso de mercado atualmente mostra juros acima de 3,4%, mas isso está acima da previsão mediana do Fed atualizada em março.

“O Fed tem muito pouco espaço para entregar algo abaixo do esperado” na contenção monetária, disse Ed Al-Hussainy, estrategista de juros globais da Columbia Threadneedle. “Eles têm que dizer que estão dispostos a arriscar levar a economia à recessão para sinalizar credibilidade quanto à inflação.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos