Mercado fechará em 2 mins
  • BOVESPA

    110.116,60
    -1.807,33 (-1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.990,08
    -244,29 (-0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,73
    -2,25 (-2,81%)
     
  • OURO

    1.780,20
    -29,40 (-1,62%)
     
  • BTC-USD

    17.073,35
    -9,70 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,42
    -7,80 (-1,90%)
     
  • S&P500

    3.996,13
    -75,57 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    33.937,09
    -492,79 (-1,43%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.830,75
    -179,50 (-1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5338
    +0,0398 (+0,72%)
     

Fed deve desacelerar aumentos de juros com alívio na inflação

Fachada do Federal Reserve, em Washington

(Reuters) - O Federal Reserve deve desacelerar seu ritmo de aumentos de juros depois que relatório do governo mostrou que os preços ao consumidor subiram menos do que o esperado no mês passado, uma indicação de que a política monetária agressiva do Fed até agora este ano está tendo efeito.

O Fed elevou os juros este ano mais acentuadamente do que em qualquer outro momento desde a década de 1980 para combater a inflação alta, entregando um quarto aumento consecutivo de 0,75 ponto percentual na semana passada, que levou a taxa básica para uma faixa de 3,75% a 4%. Ela estava perto de zero no início de março.

Os contratos futuros atrelados à taxa de referência do Fed agora mostram que os operadores veem que o ritmo acelerado de aperto da política monetária irá desacelerar no próximo mês, precificando cerca de 80% de chance de o Fed adotar apenas um aumento de 0,5 ponto.

O Fed deve mudar para aumentos de 0,25 ponto em janeiro, com a taxa básica de juros atingindo um pico na faixa de 4,75% a 5% até março.

Antes do relatório, os operadores esperavam que o Fed aumentasse os juros para acima de 5% até lá.

O relatório desta quinta-feira mostrou que o índice de preços ao consumidor, que subiu 7,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, ainda está muito acima da meta de 2% do Fed.

Mas também foi a primeira vez este ano que a inflação ficou abaixo de 8%. Na comparação com o mês anterior, os preços subiram 0,4%, menos do que os 0,6% que os economistas esperavam.