Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,05
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.767,60
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    64.100,07
    +1.873,25 (+3,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,46
    +21,11 (+1,44%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.394,01
    +178,49 (+0,61%)
     
  • NASDAQ

    15.386,75
    -11,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5073
    +0,0111 (+0,17%)
     

Fed deve buscar redução de estímulos mais rápida em meio a níveis de inflação "preocupantes", diz Bullard

·1 minuto de leitura
Presidente do Fed de St. Louis, James Bullard

(Reuters) - Os atuais níveis altos de inflação podem não diminuir tão cedo quanto muitas autoridades do Federal Reserve esperam, disse o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, nesta quinta-feira, mais uma vez instando o banco central dos Estados Unidos a buscar uma redução mais rápida de seu programa de compra de títulos.

"Acho que isso é preocupante", disse Bullard em reunião virtual do Euro50 Group a respeito da inflação. "Embora eu ache que há alguma probabilidade de que isso se dissipará naturalmente nos próximos seis meses, não diria que é uma possibilidade tão forte que podemos contar com isso acontecendo."

Bullard acrescentou que vê apenas 50% de probabilidade para cada cenário.

O Fed sinalizou na quarta-feira que pode começar a reduzir seu apoio à economia dos EUA em meados de novembro em meio a crescentes preocupações com a inflação, e disse que o processo de cortar seu programa de compra de títulos duraria até meados do ano que vem.

Bullard disse que gostaria de encerrar a redução gradual de estímulos até o primeiro trimestre de 2022, pois isso permitiria ao banco central aumentar os juros mais cedo do que o esperado se a inflação permanecesse desconfortavelmente alta.

(Por Lindsay Dunsmuir)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos