Mercado fechado

Fed deve anunciar outro grande aumento de juros e debater desaceleração para dezembro

Sede do Fed em Washington, EUA

Por Ann Saphir

(Reuters) - O Federal Reserve deve manter sua luta contra a inflação em alta velocidade nesta semana, mesmo enquanto intensifica o debate sobre quando desacelerar os aumentos de juros, a fim de evitar o colapso da maior economia do mundo.

Com a medida de inflação preferida do Fed em mais de três vezes sua meta de 2%, o resultado da reunião de política monetária do banco central norte-americano entre terça e quarta-feiras não está em dúvida: o Fed aumentará os juros em 75 pontos-base pela quarta vez consecutiva, levando a taxa de empréstimo alvo para uma faixa de 3,75% a 4,00%.

Mas o que vem a seguir é menos claro.

Após a última reunião, em setembro, o chair do Fed, Jerome Powell, disse que "em algum momento" será apropriado desacelerar o ritmo de aumentos de juros e fazer um balanço de como a elevação mais acentuada dos custos de empréstimos em 40 anos está afetando a economia.

Definir esse ponto, ou ao menos seus parâmetros, estará sujeito a debate intenso na reunião desta semana do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc).

As projeções divulgadas no final da reunião de 20 a 21 de setembro sugerem que a maioria das 19 autoridades do Fed espera poder começar a desacelerar os aumentos de juros em dezembro e atingir um pico de 4,50% a 4,75% em 2023.

Mas dados econômicos desde aquela reunião foram mistos, com a inflação nos Estados Unidos ainda muito alta, apesar de alguns sinais de que os gastos das famílias e o crescimento do emprego estão diminuindo.

E durante esse período, as autoridades do Fed, com a notável exceção de Powell, ofereceram uma série de opiniões sobre como se posicionam em relação a uma possível desaceleração ou mesmo pausa para aumentos de juros.

A diretora do Fed Michelle Bowman, por exemplo, disse que procurará sinais de que a inflação está caindo antes de buscar reduzir o ritmo dos aumentos de juros. O presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, sinalizou que ficará confortável se a inflação simplesmente parar de subir.

Não está claro se dois dias de debate serão suficientes para resolver essas diferenças.

"Ainda não parece haver um consenso no Comitê sobre o tamanho preferido de um aumento em dezembro, limitando a capacidade de Powell de oferecer orientação", escreveram economistas do Nomura na sexta-feira.

O chair do Fed, em vez disso, prevêem esses economistas e outros, apontará para a gama de dados ainda por vir antes que qualquer decisão seja tomada - incluindo mais dois relatórios mensais sobre a situação do mercado de trabalho dos EUA e, mais importante, novas leituras de inflação .

As apostas nos mercados futuros pesam fortemente a favor de uma desaceleração nos aumentos dos juros a partir de dezembro, mas, por fim, uma taxa do Fed de 4,75% a 5,00%, um pouco mais alta do que as próprias autoridades sinalizaram, no início do próximo ano.

(Reportagem de Ann Saphir)