Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.552,79
    +174,01 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Fed corre risco com saída lenta de estímulo, diz ex-BC da Índia

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um dos maiores críticos da conduta do banco central dos EUA em 2013, que levou a uma reação nos mercados financeiros globais conhecida como “taper tantrum”, agora teme que o Federal Reserve fique atrás na curva durante a retirada gradual do estímulo monetário da era Covid.

“O Fed pensa que tem tempo” para realizar o processo de aperto lentamente, em particular diante de forças desinflacionárias de longo prazo, como o envelhecimento populacional, a automação e a globalização, disse Raghuram Rajan, em entrevista a Kathleen Hays e Haidi Stroud-Watts, da Bloomberg Television, na terça-feira de manhã na Ásia.

Mas, em comparação com as consequências da crise financeira global, “há uma grande diferença no pós-pandemia, que é a enorme quantidade de gastos fiscais”, disse o professor de economia da Universidade de Chicago, que já comandou o banco central da Índia.

“Minha preocupação é que, se não levarem totalmente em conta essas novas forças, eles podem ficar atrás da curva”, disse Rajan. “E como se sabe, isso pode exigir um aperto maior no futuro.”

O mandato de Rajan à frente do BC indiano de 2013 a 2016 coincidiu com a tumultuada retirada da acomodação monetária pelo Fed, que foi especialmente impactante para os mercados emergentes porque a volatilidade cambial disparou e os investidores estrangeiros bateram em retirada.

Desta vez, o presidente do Fed, Jerome Powell, continua a enfatizar um ritmo gradual de redução, mas os mercados emergentes ainda temem “uma mudança abrupta de postura”, embora tenham “muito menos espaço para esperar e observar” do que o BC americano porque têm menos credibilidade e menos espaço para alterar as políticas públicas, explicou ele.

Para Rajan, um grande perigo para a economia global é que o Fed conduza o aperto muito lentamente e tenha de compensar isso com um ritmo mais desestabilizador adiante. A opinião dele está alinhada à de outros economistas de renome mundial, como o ex-secretário do Tesouro americano Larry Summers.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos