Mercado fechará em 43 mins
  • BOVESPA

    116.244,50
    +110,04 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.080,49
    +650,74 (+1,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,24
    +2,61 (+3,12%)
     
  • OURO

    1.734,30
    +32,30 (+1,90%)
     
  • BTC-USD

    20.077,08
    +542,68 (+2,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,73
    +10,29 (+2,31%)
     
  • S&P500

    3.775,58
    +97,15 (+2,64%)
     
  • DOW JONES

    30.189,18
    +698,29 (+2,37%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.615,75
    +330,00 (+2,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1657
    +0,0918 (+1,81%)
     

Fed chegará a 4% em 2022, e só corta em 2024, dizem economistas

(Bloomberg) -- O Federal Reserve deve sinalizar uma postura mais agressiva na próxima semana, com juros que chegarão a 4% em dezembro e permanecerão altos ao longo de 2023, disseram economistas consultados pela Bloomberg.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) aumentará a taxa básica em 0,75 ponto percentual pela terceira reunião consecutiva, em decisão que será anunciada às 14h de Washington na quarta-feira, segundo a pesquisa.

Isso elevaria o limite superior da faixa-alvo do Fed para 3,25%. As projeções do Fed que serão divulgadas após a reunião devem mostrar uma taxa de 4% até o final deste ano e um pouco mais alta em 2023, antes que cortes em 2024 a levem de volta para 3,6%, segundo os economistas.

Seria uma grande mudança em relação às previsões do Fed em junho, refletindo uma luta mais dura contra a disparada de preços após alta maior do que o esperado do núcleo da inflação em agosto. A pesquisa com 45 economistas foi realizada de 9 a 14 de setembro.

O presidente Jerome Powell disse que o Fed está fortemente comprometido em levar a inflação de volta à meta de 2% do banco central e não interromperá sua luta prematuramente diante de dados econômicos mais fracos. O argumento para uma ação mais agressiva foi solidificado pelo relatório do índice de preços ao consumidor de terça-feira.

“Esperamos que o Fed continue subindo até que os dados de inflação diminuam, com o CPI de agosto dando urgência significativa à tarefa do Fed”, disse Robert Dent, economista sênior para EUA da Nomura Securities. “Quanto mais tempo a inflação permanecer elevada, mais preocupações com uma espiral de preços e salários e expectativas de inflação desancoradas.”

Powell tem sido vago sobre quão altas as taxas de juros podem subir e em julho disse que o Fed faria política monetária “reunião por reunião”. Isso torna as projeções do FOMC o foco principal para os investidores quando o comitê se reunir de 20 a 21 de setembro. Powell realizará uma entrevista coletiva na quarta-feira, 30 minutos após a divulgação da decisão.

A trajetória de juros que os economistas esperam que o FOMC defina na próxima semana é menos agressiva do que a prevista pelos mercados. Os investidores esperam um aumento de 0,75 ponto percentual na quarta-feira e veem as taxas avançando mais um ponto percentual até o final do ano, para cerca de 4,23%.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.